Novo comando da seccional destaca atuação regional e projeta ações de combate à violência contra mulher

Márcio Marques Ramalho deu lugar ao guaratinguetaense Marcelo Cavalcante; sucessão aposta na manutenção da política de estruturar atuação policial na região

Reunião sobre a troca do comando da seccional de Guará, que ganhou destaque estadual com Ramalho (Foto: Reprodução)

Fabiana Cugolo
Guaratinguetá

A Delegacia Seccional da Polícia Civil de Guaratinguetá passou a ter um novo delegado responsável. O comando, que por sete anos foi de Márcio Marques Ramalho, agora é de Marcelo Cavalcante. No período em que Ramalho esteve à frente da Seccional, entre os trabalhos de destaque está a criação do Seccold (Setor Especializado de Combate aos Crimes de Corrupção, Crime Organizado e Lavagem de Dinheiro), o primeiro do estado de São Paulo.

A Seccional abrange outras oito cidades do Vale Histórico e Vale da Fé como Lorena, Aparecida, Cachoeira Paulista, Cunha, Piquete, Roseira, Canas e Potim, totalizando 21 unidades de atuação policial. Após o longo período de Ramalho à frente da regional, o delegado passa a ser o titular da Seccional de Taubaté.

“Nesses sete anos eu consegui fomentar e valorizar o policial dentro do possível, unir a equipe e focar no trabalho de investigação. O trabalho primordial da Polícia Civil é colher indícios e provas, então eu tentei equilibrar e fortalecer as unidades para entregarmos inquéritos policiais bem feitos e com qualidade ao Judiciário”, destacou Ramalho.

Trabalho de relevância, não só para região, mas como para todo estado, a criação do Seccold, idealizada em 2015, é apontada pelo delegado como sinal de respaldo ao trabalho realizado na região. “Percebi que a Polícia Civil estava deixando a desejar nas grandes investigações dos crimes de colarinho branco, de crimes da administração pública, de crimes contra a administração pública e em participação com administração pública, então, surgiu a ideia, porque até então a Polícia do Estado de São Paulo não tinha um setor para esse tipo de investigação”.

A primeira investigação do Seccold levou ao afastamento do ex-prefeito de Potim, Edno Félix, o Nenê, e de secretários da Gestão, envolvidos em irregularidades na compra de remédios e execução de obras. Após a criação do setor especializado, o governador João Doria (PSDB), ao assumir o cargo, criou por decreto outros dez setores da mesma categoria no estado, tendo como exemplo a unidade de Guaratinguetá.

No último dia 28 foi realizada a posse do novo titular da Seccional. Marcelo Cavalcante é natural de Guaratinguetá e acumula 23 anos de trabalho como delegado de polícia. Na maior parte desse período atuou nesta mesma unidade Seccional, com passagens breves por Santa Isabel, Jacareí, Potim, Roseira, Cunha e Lorena. Em Guaratinguetá, no ano de 2014, assumiu a titularidade do 2º Distrito Policial, localizado na Vila Paraíba. À época aceitou também o cargo de coordenador da unidade de Ensino da Polícia Civil do Vale do Paraíba. “Para mim é um desafio assumir a Seccional de Guaratinguetá. Por ser nascido aqui, existem mais cobranças, mas ao mesmo tempo é bom porque já conheço toda a estrutura das nove cidades que a compõe, conheço os desafios, as dificuldades de cada unidade”, destacou Cavalcante. “Minha função é gerenciar essas nove cidades e conseguir dar para os delegados e servidores a estrutura para que eles possam fazer uma atividade de ponta, apurar os crimes e indicar responsáveis para que possam ser processados”, explicou.

De acordo com o novo titular, uma das principais dificuldades é a pouca quantidade de servidores. As cidades que preocupam a polícia na região nesse aspecto são Aparecida e Potim. Em Cunha, a atenção é devido ao aumento no número de ocorrências. Outro ponto de atenção é Lorena, que tem histórico de alto número de homicídios. Em maio, atendendo um antigo pedido da Polícia Civil, o Estado confirmou que reformará o prédio que abriga a Delegacia e a Cadeia Pública da cidade. O projeto de reforma do 1º DP (Distrito Policial), que fica no bairro Vila Geny, pretende garantir nova estrutura e condições de atuação no espaço, com orçamento em cerca de R$ 3,2 milhões.

Sobre os trabalhos do dia a dia, uma das áreas que Cavalcante pretende focar é o combate à violência contra mulher. “Me preocupa muito esse alto índice de violência contra mulher. (…) Estamos preocupados também em manter as DDM (Delegacias de Defesa da Mulher) com bastante estrutura para que elas possam fazer esse combate da defesa da mulher, com medidas protetivas, e também que as prefeituras tentem criar as chamadas casas para receber a mulher vítima de violência, pois em muitas vezes essas mulheres não denunciam porque não têm lugar pra onde ir”, enfatizou.

Compartilhar é se importar!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

× Como posso te ajudar?