Região tem baixa adesão ao programa de rastreamento de casos de Covid-19

Das 39 cidades, 37 não se cadastram em sistema estadual de mapeamento; plataforma busca conter avanço da epidemia

Comércio na praça Conselheiro Rodrigues Alves, em Guará; cidade é uma das 37 fora do sistema estadual (Foto: Marcelo A. dos Santos)

Lucas Barbosa
RMVale

O Governo do Estado revelou na manhã desta segunda-feira (24) que a RMVale (Região Metropolitana do Vale do Paraíba e Litoral Norte) é a área paulista com menor taxa de adesão ao programa estadual de rastreamento de casos do novo coronavírus (Covid-19). Dos 39 municípios da região, apenas dois solicitaram autorização para serem inseridos no sistema de base de dados.

Lançada no início deste mês pelo governador João Doria (PSDB), a plataforma, denominada “Sistema de Monitoramento de Contatos 2.0”, armazena dados fornecidos pelas prefeituras paulistas sobre os moradores diagnosticados com a Covid-19 e das pessoas que tiveram contato com eles, como familiares e amigos.

A ferramenta possibilita o mapeamento dos registros de casos confirmados e suspeitos da doença, agilizando os processos de recomendação para o isolamento e de testagem do grupo. A plataforma permite que os municípios registrem os casos suspeitos, com necessidade de isolamento de até 14 dias. Se durante este período o teste constar positivo, as pessoas que tiveram contato com o infectado nas últimas duas semanas, por pelo menos 15 minutos e a menos de um metro de distância, serão contatadas através de mensagens no celular para também realizarem o exame e permanecerem em isolamento domiciliar.

Na cerimônia de lançamento do programa, o secretário de Desenvolvimento Regional do Estado, Marco Vinholi, ressaltou que a implantação da rede de informações contribuirá para mapear as regiões com maior incidência de casos do novo coronavírus, auxiliando as prefeituras paulistas a traçarem medidas que possam conter seu avanço. Além disso, a base de dados propiciará uma identificação mais ágil dos contaminados, que consequentemente receberão o tratamento de forma mais precoce, reduzindo as chances de sofrerem complicações ou até mesmo morrerem.

De acordo com o Estado, na RMVale, apenas Ilhabela e Santo Antônio do Pinhal realizaram o pedido para serem inseridas no sistema até a manhã desta segunda-feira. Sem a adesão das demais 37 prefeituras da região, até o momento, o interesse ao programa na RMVale é de apenas 5%, a menor de São Paulo.

As três regiões que possuem os maiores índices de adesão ao programa estadual são: Barretos (100%), Vale do Ribeira (57%) e Bauru (56%).

De acordo com o Estado, a meta é que todas as 645 cidades paulistas passem a integrar o ‘Sistema de Monitoramento de Contatos 2.0’ até o fim de setembro.

Compartilhar é se importar!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

× Como posso te ajudar?