Após recorrer a Lorena, Cachoeira não tem previsão para volta da maternidade

Atendimento segue parado; hospital mantém reformas depois de período de paralisações

Corredor da Santa Casa de Cachoeira, que passa por obras para ter atendimento total após período de crise (Jéssica Dias)
Corredor da Santa Casa de Cachoeira, que passa por obras para tentar retomar atendimento em especialidades (Jéssica Dias)

Jéssica Dias
Cachoeira Paulista

Após mais uma greve na Santa Casa de Cachoeira Paulista, que paralisou o atendimento no hospital, o Pronto Socorro voltou à ativa em fevereiro. Mas as gestantes da cidade continuam sem a maternidade, que segue parada, sem data prevista para volta. As pacientes estão sendo encaminhadas para a Santa Casa de Lorena após o convênio assinado com a DRS (Departamento Regional de Saúde). Atualmente, 24 leitos estão em funcionamento no hospital, 16 para internações e oito para observações masculinas e femininas.

A expectativa agora é para a retomada do atendimento no centro cirúrgico e na maternidade. Os espaços físicos já foram reformados, ampliados e estão adequados pela Vigilância Sanitária.

Devido à falta de uma referência na região, o centro cirúrgico aguarda a autorização junto ao DRS e Ministério da Saúde para voltarem a operar até o final desse ano.

Já a maternidade tem uma estimativa maior de demora. Sem data para o retorno, Cachoeira precisou regularizar seu convênio de R$ 25 mil mensais firmado pelo ex-prefeito João Luiz Ramos (PSB), com a Santa Casa de Lorena, que passou a receber a demanda de atendimento cachoeirense.

“Tivemos que resolver a parte de burocracias, as questões contratuais da Santa Casa com relação a atrasos, contratos mal feitos, que não estavam sendo cumpridos. Um dos últimos foi em relação a maternidade, que tinha um contrato irregular com a Santa Casa de Lorena, estava em atraso. Foi feita uma negociação e conseguimos estabelecer através da DRS uma forma de referenciamento, que é justo pelo SUS (Sistema Único de Saúde)”, afirmou o diretor geral da Santa Casa, Alexandre Alves.

O atendimento em Lorena será custeado pelo Estado, que deve repassar R$ 20 mil mensais ao hospital. Além de Cachoeira, o acordo firmado entre o DRS determinou que a Santa Casa de Lorena passa a atender também as gestantes de Aparecida, Roseira e Potim.

PS – Para abrigar o Pronto Socorro foi reformado o Pavilhão Íris, localizado na parte de cima da Santa Casa, com um corredor amplo, as salas arejadas e ventiladas.

As reformas e ampliações foram feitas em parcerias por meio de doações de empresários e mão de obra dos próprios funcionários da Santa Casa e da Prefeitura. “Nessa reforma o orçamento não passou de dez mil reais, por conta de alguns serviços que não tinham como ser voluntariados, por exemplo, a aplicação dos pisos específicos para atender a emergência, que ficou em torno de seis mil reais”, explicou o diretor da Santa Casa.

Com a reforma, entregue em fevereiro, foram restabelecidos Pronto Socorro, sistema laboratorial, raio X, internações através das clinicas médicas, salas de emergência, estabilização, inalação, pediatria, observação masculina e feminina e observação psiquiátrica.

“Depois da reforma estão sendo feitos cerca de seis mil atendimentos mensais. A demanda dobrou, são em média duzentos atendimentos por dia”, explicou o secretário de Saúde Guilherme Marcondes, que já ocupou o cargo na gestão do ex-prefeito Fabiano Vieira (PTB), e foi vereador de oposição no último mandato, quando fez parte do grupo que fiscalizou os passos da Prefeitura referente à crise na saúde.

Além da reforma estrutural, o corpo clínico foi refeito junto ao CRM (Conselho Regional de Medicina). Atualmente são mais de 27 médicos atuando na Santa Casa, sendo 15 plantonistas. O anestesista, Dr. Jair Alves, ocupa o cargo de diretor clínico. São cem funcionários trabalhando diariamente, incluindo administrativo, limpeza, vigia, técnico de enfermagem, telefonia, recepção e corpo médico. De acordo com Marcondes, somente em salários atrasados, o hospital pagou R$1,2 milhão aos funcionários. O valor foi retirado do orçamento da secretaria de Saúde.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>