Padrasto confessa assassinato de bebê e causa revolta no Araretama

Moradores incendeiam casa da família após confirmação da morte de Maria Clara, de apenas um ano e três meses

Casa da família de Maria Clara, que ficou destruída após manifestação no Araretama; padrasto confessou crime (Foto: Bruna Silva)

Bruna Silva
Pindamonhangaba

A morte de uma criança de apenas um ano e três meses gerou revolta e comoção, em Pindamonhangaba. O caso passou por uma reviravolta na quarta-feira (14), quando o padrasto confessou ter matado a pequena Maria Clara. A noite, um grupo de moradores do bairro Araretama ateou fogo na casa da família, em protesto contra o crime.

Após a confirmação da morte da criança, no final da tarde, a história contada na véspera pelo autor do crime começou a ruir. O padrasto havia relatado à Polícia que estava com a menina, até então desaparecida, no Centro da cidade, na terça-feira (13), quando precisou ir ao banheiro e deixou a bebê com um desconhecido. Ainda segundo a versão do autor do crime, ao sair do banheiro, não encontrou a criança e o homem.

O caso gerou comoção nas redes sociais e a família iniciou uma campanha para encontrar Maria Clara.

Mas as investigações sobre o caso levaram a outro caminho, que confrontaram a versão dada à Polícia. Em novo depoimento, o padrasto confessou o crime e o corpo da pequena Maria Clara foi encontrado na “Estrada Velha”, que liga Pindamonhangaba à Taubaté (SP-62) e foi levado para o Instituto Médico Legal de Taubaté. A menina foi decaptada.

Maria Clara de apenas um anos e três meses; morte gerou revolta (Foto: Arquivo pessoal)

Com as primeiras notícias sobre a morte da criança, um grupo de moradores do Araretama se revoltou e foi até a casa da família, onde, além da mãe e do autor do crime, moravam outras três crianças, de acordo com vizinhos. Os manifestantes jogaram líquidos inflamáveis e atearam foco no imóvel.

De acordo com informações de pessoas que acompanharam a ocorrência, diversos moradores queriam linchar a mãe da criança que estava desaparecida desde a manhã da última terça-feira. O Corpo de Bombeiros atendeu a ocorrência junto à Polícia Militar, por volta das 18h. Ninguém ficou ferido. De acordo com relatos de moradores, a mãe da bebê teria sido levada pelo Conselho Tutelar.

O assassino de Maria Clara foi levado à Delegacia de Pindamonhangaba, e no início da noite e depois transferido para um presídio da região. Ainda não há detalhes sobre a morte ou as causas do crime.

Compartilhar é se importar!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

× Como posso te ajudar?