Câmara de Guará analisa ocorrência de embriaguez ao volante de Pedro Sannini

Vereador detido após bater em carro estacionado em Lorena é presidente da Comissão de Ética e deve se afastar de análise do caso em que é investigado

Pedro Sannini, acusado de embriagues, será julgado na Câmara (Foto: Leandro Oliveira)
Pedro Sannini, acusado de embriagues, será julgado na Câmara (Foto: Leandro Oliveira)

Leandro Oliveira
Guaratinguetá

A Câmara Municipal de Guaratinguetá recebeu o boletim de ocorrência do acidente envolvendo o vereador Pedro Sanini (PTB). Ele foi detido em Lorena, após ter colidido seu carro em outro veículo que estava estacionado, no dia 28 de fevereiro, no bairro Cabelinha. A Casa vai analisar o boletim, que passará por avaliação da Comissão de Ética, da qual Sannini é presidente.

O documento, recebido pelo presidente Marcelo Coutinho, o Celão (PSD) das mãos do tenente coronel Hélcio Vieira, do 23º Batalhão de Polícia Militar do Interior, deu entrada na Casa na última terça-feira. Na sessão de quinta-feira, Celão deu publicidade e encaminhou o documento para a Comissão de Ética, que terá 15 dias para emissão de um parecer. Após isso, o parecer será votado em plenário com apreciação dos vereadores.

Sannini é presidente da Comissão de Ética, que vai analisar o caso. O presidente da Câmara foi questionado sobre como fica essa análise, já que o vereador está envolvido com o processo. “Eu não tenho, como presidente da Casa, a autonomia de destituí-lo da Comissão. Isso é um foro íntimo do vereador. Compete a ele que solicite a sua destituição da Comissão de Ética para que a gente possa nomear o primeiro suplente, que nesse caso é o vereador Marcos Evangelista (PSDB), que não assumiria a presidência, mas como primeiro suplente, estaria compondo a comissão”, esclareceu.
Sobre os documentos recebidos da Polícia Militar e Polícia Civil que comprovariam que o vereador teria ingerido bebida alcoólica, Celão destacou:w “Mais especificamente, no boletim de ocorrência da Civil, cita-se que foi constatado o consumo de bebida alcoólica”, afirmou.

Sannini não precisa se afastar da Comissão, mas sim, do caso específico em que ele é parte. Segundo Celão, os demais casos que envolvam a Comissão, o vereador estará apto para analisá-los. As consequências da investigação podem ser de advertência à suspensão temporária, ou até perda do mandato. Como o caso ainda não foi julgado judicialmente, segundo Celão, a Câmara não tem no momento, motivos para cassá-lo. “Entendo que existem, dentro do nosso quadro de ética, outras decisões que podem ser tomadas pela comissão. Não quero fazer qualquer tipo de interferência na Comissão de Ética ou aos vereadores, fica a critério deles essa avaliação. Eu estarei cumprindo e seguindo o que eles determinarem”, concluiu.

Pedro Sannini participou da sessão de quinta-feira, foi abordado pela reportagem do Jornal Atos, mas afirmou que não gostaria de se pronunciar no momento.

Compartilhar é se importar!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>