Atento à pandemia, comércio da RMVale se prepara para as vendas de Natal

Responsável por alavancar a economia, fim de ano é aposta para amenizar impactos da quarentena sobre o setor

A rua Dr. Rodrigues de Azevedo, principal área do comércio de Lorena; setor tenta se recuperar mesmo com pandemia (Foto: Thales Siqueira)

Thales Siqueira
RMVale

A menos de dois meses para o Natal, e com o avanço da RMVale (Região Metropolitana do Vale do Paraíba e Litoral Norte) à fase verde do Plano São Paulo, o comércio da região começa a se preparar para o final de ano. Historicamente a economia tende a ser movimentada pelas vendas natalinas e pelo número de vagas de emprego temporárias que surgem nessa época.

A expectativa das lojas é melhorar o faturamento após longo período em que permaneceram fechadas como medida de segurança contra a pandemia do novo coronavírus.

Segundo a Acial (Associação Comercial, Industrial, Autônomos e Liberais de Lorena), os preparativos para as vendas de Natal já tiveram início no município. Alguns lojistas já anteciparam a decoração natalina para atrair os clientes e uma promoção com prêmios está sendo preparada para os consumidores.

A Acip (Associação Comercial e Industrial de Pindamonhangaba) também está preparando a sua campanha de Natal. De acordo com a assessoria de imprensa da associação, a entidade está pedindo aos associados que enfeitem suas fachadas, criando um “clima bem positivo para as vendas de Natal”. A entidade revelou que as lojas de vestuários e acessórios já estão repondo estoques com novas coleções.

No próximo sábado (7), o Shopping Pátio Pinda já começa a promover suas ações de Natal, com a Carreata do Papai Noel, que irá circular pelas ruas do município a partir das 16h30. O propósito do evento é fazer com que a população sinta a magia e a alegria do Natal.

Um estudo apresentado pela Sincovat (Sindicato do Comércio Varejista de Taubaté e região) mostrou que, apesar de 2020 ter sido um ano difícil, as vendas de Natal prometem alavancar a economia, motivando também a necessidade de reforço no quadro de funcionários. Apesar do apontamento positivo, o número de contratações deve ser cerca de 30% menor do que o registrado em 2019.

No ano passado, a expectativa para atender a demanda do comércio no fim do ano foi de duas mil vagas com carteira assinada. O saldo de empregos (admissões menos desligamentos) do varejo da RMVale atingiu cerca de 2,5 mil vagas, maior patamar desde 2014, no período entre os meses de outubro e novembro, que é a principal época de crescimento do quadro funcional das empresas. Em 2020, a tendência é para uma redução da geração de empregos, que deve atingir 1.750 vagas apenas.

Os principais motivos dessa diferença em relação ao número de vagas é a queda de 6,5% no faturamento bruto do comércio na região. Na deterioração do mercado de trabalho, houve uma perda de 6.185 postos de trabalho entre janeiro e agosto e redução do poder de compra da população.

“O comércio continuará sendo local de oportunidades de emprego no fim do ano. Porém, em 2020, com os impactos severos dos efeitos da pandemia da Covid-19, teremos menos vagas que serão abertas”, exaltou presidente do Sincovat e vice-presidente da FecomercioSP (Federação do Comércio do Estado de São Paulo), Dan Guinsburg.

Já o presidente da Aceg (Associação Comercial e Empresarial Guaratinguetá), Ricardo Teberga, acredita que se não houver extensão de horário não haverá um aumento significativo no número de funcionários contratados. “A contratação temporária de final de ano se dá exatamente pela extensão de horário. A cidade de Guaratinguetá tem acompanhado na íntegra os decretos estaduais. Há uma expectativa de que até o próximo dia 9, o governador João Dória (PSDB) faça um novo decreto sobre a extensão do horário do comércio até as 22h”, comentou Teberga.

Considerando o cenário de restrições existente devido o novo coronavírus, como a limitação em relação ao horário de funcionamento dos estabelecimentos, e o risco de contaminação por causa de aglomerações, nesse ano, o velho costume de deixar as compras para a última hora terá que ser um hábito a ser deixado de lado pela população.

Outra data que deve ter um impacto positivo na economia da região é a Black Friday realizada na última sexta-feira do mês de novembro. Esse ano, grande parte das lojas adaptaram o evento e já começaram a lançar suas ofertas. O objetivo é evitar aglomeração nas lojas em um único dia.

Procurada pela reportagem do Jornal Atos, a ACC (Associação Comercial de Cruzeiro) não tem informações a respeito da preparação do comércio para as vendas de Natal do município, pois o presidente da associação está viajando e somente ele poderia fornecer essas informações.

Compartilhar é se importar!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

× Como posso te ajudar?