Terceirização da água em Potim deve começar em agosto

Investimento de R$ 27 milhões promete garantir água e esgotos tratados; tarifa mínima passará de R$ 19 para R$ 43

Fornecimento de água em Potim continua sobre utilização de galões enquanto tratamento não avança na cidade (Foto: Marcelo A. dos Santos)

Andréa Moroni
Gabriela Oliveira
Potim

A assinatura do contrato com a empresa Terracom para a terceirização do fornecimento de água e esgoto em Potim aumentou a expectativa da Prefeitura quando a aceleração do serviço, esperado há décadas na cidade. A contratação foi assinada no dia 14 de junho, com duração de 35 anos e a promessa de suprir as metas estabelecidas pelo Novo Marco Legal do Saneamento (lei aprovada em 2020 que prevê a universalização dos serviços de água e esgoto até 2033).

A previsão de investimentos é de 27 milhões, com aproximadamente R$ 15 milhões nos primeiros cinco anos de operação.

Segundo a prefeita Érica Soler (PL), a Terracom já criou a empresa Águas de Potim, que vai administrar os serviços. “Nós estamos agora no processo de transição e, a partir do mês de agosto, a empresa já dará início ao fornecimento de água para a população”.

Nesse período de transição, de acordo com a chefe do executivo, serão feitos ajustes do atual sistema para o da nova empresa. “Nós temos sete poços artesianos na cidade. Até agora, a gente captava essa água, colocava cloro e mandava para as casas. Agora, a empresa vai captar a água e trata-la, além do tratamento do esgoto. Nossa intenção é ter 100% do esgoto tratado nos próximos 3 anos”.

Com a terceirização do serviço, os moradores de Potim devem sentir no bolso a nova tarifa. “Atualmente, nossa tarifa mínima gira em torno dos R$ 19 por uma água e um esgoto não tratados. Com a mudança, a tarifa mínima deve ser de R$ 43, já incluindo água e esgoto. Mas, nos primeiros meses, enquanto não tiver a água tratada e o esgoto sendo tratado, haverá desconto de 20% na tarifa de água e de 25% no esgoto”, explicou a prefeita.

O diretor operacional da Terracom Saneamento, Antônio Celso Paiva, destacou a forma como empresa e Prefeitura atuarão no início do período de adequação. “Estaremos acompanhando a rotina do sistema, importando os dados de cada cliente, treinando o nosso time e principalmente fazer o necessário para o sucesso da nossa operação”, contou.

A estimativa é de que até o quinto ano da concessão, 99% da cidade tenha acesso a água potável, coleta, afastamento e tratamento de esgoto. Hoje, todo o esgoto coletado é descartado sem tratamento no Rio Paraíba.

Há a previsão também de que uma média de dizentas famílias em situação de vulnerabilidade social sejam beneficiadas por uma tarifa social.

Histórico – A população de Potim sofre com a má qualidade da água desde a sua emancipação. O serviço atualmente prestado pela Prefeitura, ocorre de forma precária, com a utilização de poços artesianos, o que muitas vezes leva à falta de água. Além disso, o esgoto desagua, sem tratamento, no Rio Paraíba.

Questionada sobre as expectativas com a concessão, a prefeita Érica Soler disse que espera que os problemas com o tratamento de água e esgoto sejam resolvidos. “A expectativa é melhorar a qualidade de vida, uma vez que água tratada é saúde, a gente acredita também que vá reduzir mais de 30% dos nossos atendimentos nos postos devido a água não tratada, que gera várias doenças, urticárias na pele, entre outras coisas”.

Além de Potim, a empresa ganhadora da licitação, Terracom, atua na área de saneamento em outras três cidades do interior paulista: Estiva Gerbi, Casa Branca e São Sebastião da Grama.

Compartilhar é se importar!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

× Como posso te ajudar?