Câmara de Guará cria Comissão da Mulher para criar de rede de proteção e assistência

Objetivo é que debate sobre direitos femininos seja ampliado na cidade; grupo deve ser formado pelas três vereadoras da Casa

A vereadora Dani Dias, que acredita em composição feminina para nova Comissão (Foto: Marcelo A. dos Santos)

Bruna Silva
Guaratinguetá 

Dando ênfase à pauta da semana da mulher, a Câmara de Guaratinguetá aprovou, na última terça-feira (9), a criação da Comissão da Mulher. A expectativa é que a nova ação do Legislativo seja comandada somente pelas três únicas vereadoras da cidade, para auxiliar a luta pelos direitos femininos.

O projeto foi aprovado por unanimidade. A proposta solicitava a alteração do regimento interno para a criação de uma nova comissão, com avaliação sob olhares da Câmara para medidas em Guaratinguetá, que estejam diretamente ligadas ao universo feminino.

A cidade faz parte do grupo de municípios que tem debatido os interesses da mulher. Entre as ações, a proposta da criação do Conselho dos Direitos da Mulher e da Assessoria Municipal da Mulher e Cidadania.

Sobre a comissão, o próximo passo é a formação do grupo que deve compor os trabalhos. A vereadora eleita com o maior número de votos na história de Guaratinguetá (2537 votos), Dani Dias (PSC) afirmou que há mobilização para que ela e as companheiras de plenário Alexandra Andrade (PL) e Rosa Filippo (PSD) possam compor a comissão. “A bancada feminina se organizou. Nós (vereadoras) pedimos a Câmara para que a comissão seja feita por indicação para que sejam as três vereadoras a discutir as políticas públicas referentes à comissão da mulher. Nada melhor que mulher para debater as situações referentes à mulher”, destacou.

A expectativa é que a comissão consiga fazer um mapeamento das regiões do município em que as mulheres estão mais vulneráveis à violência. O intuito das vereadoras é de fortalecer as políticas públicas para a população feminina de Guará, em parceria com o Creas (Centro de Referência Especializada em Assistência Social), Delegacia da Mulher e OAB (Ordem dos Advogados do Brasil).

Recentemente, Dani Dias esteve em São Sebastião, na “Casa Poderosa”, espaço de atendimento exclusivo para mulheres vítimas de violência. Ela confirmou que a proposta de sua campanha de criar a “Casa da Mulher”, um local de acolhimento feminino continua de pé e recebeu apoio do prefeito, Marcus Soliva (PSC). “Ele já estava trabalhando em Guaratinguetá de algo em cima disso, para as mulheres com porta de entrada e acolhimento personalizado para mulher. Aí veio a nossa ideia de criação da casa que em breve será feito esse espaço para atender, conversar, acolher e debater as políticas públicas femininas para nossa cidade”, finalizou.

Compartilhar é se importar!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

× Como posso te ajudar?