Vacinação de motoristas do transporte coletivo enfrenta falha em Cruzeiro

Com o avanço da distribuição do imunizante contra a Covid-19, categoria tem dificuldade para se imunizar na cidade

Ônibus da ABC na região central de Cruzeiro; cidade é criticada por falha na vacinação a categoria (Foto: Arquivo Atos)

Thamiris Silva
RMVale

Com o novo cronograma de vacinação do estado de São Paulo, as cidades da região iniciaram a distribuição de doses do imunizante contra a Covid-19 para os motoristas de transporte coletivo. O anúncio das prefeituras, na última semana, foi acompanhado de reclamações da população quanto a falhas no site de cadastro e de informações por parte da secretaria de Saúde municipal.

Com início na quarta-feira (19), a campanha em Cruzeiro foi alvo de críticas nas redes sociais, após a publicação, no dia anterior, da liberação para motoristas, que já poderiam receber a vacina somente após cadastro no site oficial.

A informação foi apontada como contradição ao divulgado pelo portal do Estado de São Paulo, que apenas recomenda o cadastro. “Informamos que para se vacinar, é fundamental efetuar um cadastro no site Vacina Já, vacisetrans.sp.gov.br, para análise das secretarias Estadual de Logística, Transporte e Desenvolvimento Regional…”, destacou a publicação cruzeirense.

Já a Saúde do Estado enfatizou que “… para se imunizar é preciso apresentar um documento de identificação (preferencialmente CPF) e um documento comprovante de vínculo empregatício, como crachá ou holerite. A SMS (secretaria Municipal de Saúde) recomenda que a ida aos locais de vacinação aconteça de maneira gradual, evitando aglomerações nos postos, e com o pré-cadastro no site ‘Vacina Já’”.

A categoria (motoristas) entrou em contato com a secretaria de Saúde de Cruzeiro, que apontou como motivação do problema a falta de cadastro que teria de ser realizada pela empresa contratante, responsável pelo cadastro dos funcionários. As reclamações continuaram, com cobrança pela falta de divulgação nos meios de comunicação da Prefeitura. “Acho que esse problema na vacinação é até uma falta de respeito. Eles não deram muita atenção. Acredito que deveria ter feio um teste no site antes de publicar. Foi somente no dia da vacinação que descobrimos que a empresa tinha que cadastrar, problema na falta de comunicação”, relatou um morador da cidade, que não quis se identificar.

A redação do Jornal Atos entrou em contato com a Prefeitura que informou que os cadastros dos motoristas e cobradores de ônibus são feitos em um site elaborado pelo Governo do Estado de São Paulo. “Em Cruzeiro, alguns profissionais não conseguiram realizar o procedimento, mas tão logo procuraram auxílio, tiveram o problema resolvido. Até último levantamento 11 profissionais já haviam sido vacinados. A pasta (secretaria de Saúde) lembra que em caso de erro no cadastro, o próprio site sugere que o profissional procure a gerência da empresa para que o problema possa ser resolvido junto a Secretaria de Estado de Transportes”.

Outra cidade que registrou dificuldades para iniciar a imunização no setor é Guaratinguetá. A Prefeitura anunciou, nesta quinta-feira (20), que recebeu apenas cinquenta doses para repassar a categoria, sendo utilizada todas no primeiro dia de campanha e que aguarda mais lotes do imunizante.

Compartilhar é se importar!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

× Como posso te ajudar?