Polícia investiga denúncia de mortes por falta de oxigênio em São Sebastião

Suposta falha em equipamento pode ter vitimado dois pacientes com Covid-19; Caso é acompanhado pelo MP

 

Entrada da UTI do Hospital das Clínicas de São Sebastião; Polícia Civil investiga falta de oxigênio (Foto: Reprodução)

Da Redação

São Sebastião

 

Após pedido do MP (Ministério Público), a Polícia Civil de São Sebastião abriu no último final de semana um inquérito para investigar a denúncia de que dois pacientes, diagnosticados com Covid-19, morreram por falta de oxigênio no Hospital das Clínicas de São Sebastião no fim do ano passado.

 

Instaurado na última sexta-feira (5) pela DIG (Delegacia de Investigações Gerais) de São Sebastião, o procedimento analisará as acusações de que falhas no funcionamento do sistema de usinas de oxigênio do hospital resultaram nas mortes de dois idosos, de 63 e 66 anos, nos dias 10 e 11 de dezembro de 2020. As vítimas estavam internadas em leitos de UTI (Unidade de Tratamento Intensivo).


Para apurar as informações, a DIG realiza desde o último sábado (6) diligências no hospital e coleta de depoimentos de funcionários e diretores. Além de tentar descobrir os responsáveis pela possível falha no fornecimento do oxigênio aos pacientes, a Polícia Civil analisará os documentos do IML (Instituto Médico Legal) em busca de detalhes sobre as causas dos óbitos.


A investigação policial foi solicitada na última semana pelo MP, que no fim de janeiro recebeu uma denúncia de moradores da cidade litorânea, que tiveram as identidades preservadas pelo órgão, que continha áudios anexados. Os arquivos mostram um suposto diálogo entre um médico e um funcionário de manutenção do Hospital das Clínicas de São Sebastião, conversando sobre problemas no funcionamento do equipamento de distribuição de oxigênio aos leitos de UTI.

Em um dos áudios, o médico afirma que a rede parou de funcionar. Aparentemente desesperado, o profissional cobra que o setor de manutenção resolva o problema. Porém, o funcionário alega que não conseguiria resolver o problema imediatamente, pois ele foi causado por uma falha nas usinas e pela falta de óleo adequado no aparelho.

 

Após analisar a denúncia, a promotora de Justiça, Janine Rodrigues, emitiu um parecer no fim de janeiro em que ressalta que situação narrada é de “total falta de planejamento, prevenção, regramentos internos, e zelo pela vida humana e que os fatos culminaram, por diversas vezes, com o colapso da rede de abastecimento de oxigênio fornecido por estas usinas” (trecho do relatório).

Ainda sem data prevista de conclusão, a investigação da Polícia Civil deverá promover pericias na rede e nos equipamentos de oxigênio do hospital.


Outro lado –
A reportagem do Jornal Atos solicitou um posicionamento da Prefeitura de São Sebastião, responsável pela gestão do Hospital das Clínicas, sobre o caso, mas nenhuma resposta foi encaminhada até o fechamento desta edição.

Compartilhar é se importar!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

× Como posso te ajudar?