Com 489 casos confirmados, Guará decreta epidemia de dengue

Município aguarda outros 324 exames; RMVale tem 5 cidades epidêmicas e 11 em alerta no início de 2020

Agentes de vetores durante combate à dengue em Guará; cidade tem surto de confirmações da doença (Foto: Reprodução PMG)

Larissa Diamantino
Guaratinguetá

Com previsão alarmante de que podia chegar a uma epidemia até abril, Guaratinguetá teve surpresa já em fevereiro. A equipe da Vigilância em Saúde revelou que os casos confirmados da doença subiram para 489 (até o fechamento da reportagem), com 466 autóctones e 23 casos importados de outras cidades. De acordo com o departamento de endemias, no total, Guaratinguetá 324 ocorrências ainda aguardando resultado. Outras 692 suspeitas da doença foram descartadas.

Para controlar a doença, a secretaria Municipal de Saúde tem realizado um cronograma de nebulização. Segundo o Departamento de Endemias, o serviço é feito somente nos bairros em que há casos confirmados, além do trabalho “porta a porta”. Aos sábados, a Operação Cata-bagulho opera para auxiliar na limpeza de terrenos, com a retirada de materiais inutilizados e que possam ser focos de dengue naquela residência.

O departamento responsável pelos serviços faz o alerta para automedicação. De acordo com o coordenador da Vigilância em Saúde de Guaratinguetá, Felipe Guedes, este é o principal fator para que a doença se agrave. “A orientação é para que a população procure a unidade de saúde mais próxima de sua residência. Ainda temos mais dois locais, o AME (Assistência Médica Especializada), que funciona de segunda à sexta-feira, das 7h às 16h, com um espaço específico para atendimentos dos casos de dengue ou o Pronto Socorro Municipal, mas para atendimento emergencial ou caso o cidadão precise do serviço aos finais de semana, feriados ou horários fora do expediente da secretaria de Saúde”, orientou.

Na RMVale (Região Metropolitana do Vale do Paraíba e Litoral Norte), das 39 cidades, 11 estão em estado de alerta desde o ano passado. Segundo dados divulgados pelo Liraa (Levantamento Rápido de Índices de Infestação pelo Aedes Aegypti), do Ministério da Saúde, entre os municípios estão Taubaté, Guaratinguetá, Pindamonhangaba e Caçapava. De acordo com a pesquisa, em 2019, no estado de São Paulo, 250 cidades estavam em situação de alerta ou risco de surto de dengue, zika e chikungunya. A região do Vale abrigava 4,4% desses municípios.

Na última semana, Lorena declarou epidemia da dengue. A cidade já ultrapassou os seiscentos casos confirmados. Outra cidade com números alarmantes é Cruzeiro, que registrou 961 casos confirmados e uma morte na sexta-feira.

Compartilhar é se importar!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

× Como posso te ajudar?