Qualidade da água pode virar caso de Justiça em Cachoeira

Moradores do Centro denunciam ‘água suja’ fornecida pela Sabesp

Coleta de água demonstra visivelmente presença de sujeira e odor (Colaboração)
Coleta de água demonstra visivelmente presença de sujeira e odor (Colaboração)

Lucas Barbosa
Cachoeira Paulista

Cansados de conviverem com problemas ligados à qualidade da água fornecida na região central de Cachoeira Paulista, moradores protocolaram recentemente uma queixa na Arsesp (Agência Reguladora de Saneamento e Energia do Estado de São Paulo) contra a Sabesp (Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo). Caso o problema não seja resolvido permanentemente, eles ameaçam levar o caso à Justiça.
De acordo com o administrador e empresário Alexandre Luthier, que possui uma loja na avenida Bernardino de Campos, no Centro, os comerciantes e famílias do local têm há muitos anos uma desagradável surpresa ao abrir as torneiras.
Ele relatou que com  frequência, ao invés de transparente, a água fornecida aos moradores apresenta uma cor amarelada, possivelmente devido à presença de barro.
Insatisfeito com a demora na resolução do problema, Luthier reuniu diversas fotos das amostras de água, que causaram grande repercussão nas redes sociais, e realizou uma queixa contra a Sabesp na Agência Reguladora do Estado. “Há anos venho reclamando para a Sabesp sobre a qualidade da água que recebo em minha casa, mas sem sucesso. Sempre que os técnicos vinham alegavam falhas no encanamento da residência ou na captação da água por problemas de chuvas. A princípio me manifestei de forma independente, mas fiquei sabendo de outros casos na mesma rua”.
O morador ressaltou o sentimento de indignação das famílias da região. “É uma sensação de descaso. Pagamos caro pelo serviço para termos água potável e recebemos esta imprópria para o consumo”.
Luthier revelou que recentemente técnicos da Companhia estiveram no local e afirmaram que existem vários ramais de fornecimento submersos na área, e que a casa estava sendo atendida por um ramal velho. Os funcionários mudaram o abastecimento do imóvel para outro ramal.
O aposentado Benedito dos Santos, 68 anos, também disparou uma série de críticas à qualidade da água. “Com essa água barrenta é capaz de eu entrar no banho e sair ainda mais sujo. O pior ainda é que tem dia que a água está limpíssima, aí do nada começa sair tudo amarelo, parece até caldo de cana. Não estava sabendo que já tinham denunciado para a Artesp, mas eu apoio essa atitude porque pagamos caro pelo serviço”.
Justiça – De acordo com Luthier, após a mudança de ramal a situação melhorou na região, mas caso o problema reapareça, como já ocorreu diversas vezes, os moradores levarão o caso á Justiça.
A reportagem do Jornal Atos tentou entrar em contato com a Sabesp de Cachoeira Paulista, mas até o fechamento desta edição nenhum responsável foi encontrado para comentar o caso.

Compartilhar é se importar!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

× Como posso te ajudar?