Servidores acusam Prefeitura de pagar salários diferentes para cargos similares em Cachoeira

Sem explicações sobre discórdia no pagamento, Sindicato promete encaminhar ação à Justiça do Trabalho

Servidor durante limpeza da praça Prado Filho; sindicato quer regularização e reavaliação de salários (Foto: PMCP)

Thales Siqueira
Cachoeira Paulista

O Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Cachoeira Paulista emitiu, na última segunda-feira (31), um comunicado em sua rede social questionando o motivo de funcionários da Prefeitura com cargos similares apresentarem valores salariais diferentes. Entre os questionamentos, situações em que o empregado com mais tempo em exercício recebe menos que outro, contratado posteriormente para a mesma função.

A presidente do Sindicato, Heloiza Hummel Fernandes, revelou que uma série de ofícios foram encaminhados para a administração municipal questionando as diferenças salariais que vão na direção contrária à legislação vigente, mas a resposta encaminhada pelo prefeito Antônio Carlos Mineiro (MDB) não teria apresentado as comprovações solicitadas pela entidade. O caso será encaminhado para a Justiça do Trabalho. “O prefeito somente me mandou um ofício respondido pelo Jurídico dizendo que não poderia conceder nada para os servidores por causa da Lei Complementar 173 (sancionada em março de 2020, proibindo a criação ou ampliação de despesa continuada, como contratação ou aumento de salários no poder público), porém, ele eleva os salários de alguns pagando diferença salarial sem observar esta lei, ou seja, para alguns pode e para outros não”, criticou a presidente.

O Sindicato afirmou que não pretende retirar qualquer benefício ou gratificação de servidores, mas que o objetivo da ação é corrigir pagamentos irregulares que estão ocorrendo há um certo tempo. Um adicional pode ser pago aos funcionários desde que exista uma justificativa plausível dentro da legalidade.

A reportagem do Jornal Atos tentou contato com a Prefeitura de Cachoeira Paulista, mas os questionamentos da Redação não foram respondidos até o fechamento desta edição.

Compartilhar é se importar!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

× Como posso te ajudar?