Polícia investiga mortes de 34 gatos encontrados em Cachoeira

Abandono de corpos dos animais em caixas de papelão revoltam população; Civil busca testemunhas

Flagrante de corpos dos gatos na zona rural de Cachoeira; Polícia investiga caso (Foto: Reprodução)

Lucas Barbosa
Cachoeira Paulista 

A Polícia Civil de Cachoeira Paulista abriu um inquérito na última terça-feira (11) para identificar os responsáveis pelo abandono dos corpos de 34 gatos em um terreno baldio, no último final de semana, na zona rural do município. O crime causou revolta nas redes sociais, onde internautas cobram o esclarecimento da causa das mortes dos animais.

De acordo com o boletim de ocorrência, uma denúncia anônima revelou à Polícia Militar no último domingo (9) que diversos gatos mortos estavam dentro de caixas de papelão abandonadas em um terreno às margens da rodovia Cristiano Alves da Rosa, no trecho do bairro Quilombo.

Ao chegar no local indicado, a equipe da Polícia Militar Ambiental encontrou os corpos dos felinos, que estavam em avançado estado de decomposição, impossibilitando que os policiais identificassem possíveis indícios de ferimentos.

Acionada, a Polícia Civil Científica coletou amostras dos tecidos dos animais e as encaminhou para análises laboratoriais, que devem revelar até o fim desta semana a causa das mortes dos gatos.

Segundo a Polícia Civil de Cachoeira, desde a manhã da última terça-feira equipes percorrem o Quilombo e bairros próximos em busca de testemunhas e informações sobre o caso. Imagens de câmeras de videomonitoramento de imóveis próximos ao terreno baldio também serão analisadas pelos policiais.

Desde a manhã da última segunda-feira (10), o caso é um dos mais comentados nos principais grupos de discussão de Cachoeira na rede social Facebook. Além da causa dos óbitos, os moradores exigem a identificação dos responsáveis pela desova dos corpos no terreno baldio.

Caso seja comprovado que os gatos foram assassinados, os autores responderão por maus-tratos animais, podendo serem condenados até três anos de prisão.

Compartilhar é se importar!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

× Como posso te ajudar?