Debate entre candidatos de Potim foca em registros de candidaturas

Temas importantes para população como a situação da água e segurança passam quase despercebidos pelos candidatos

Os quatro candidatos a prefeito de Potim, que participaram de debate nos estúdios da Rádio Aparecida (Foto: Divulgação Rede Aparecida)
Os quatro candidatos a prefeito de Potim, que participaram de debate nos estúdios da Rádio Aparecida (Foto: Divulgação Rede Aparecida)

Rafael Rodrigues
Potim

Os quatro candidatos à prefeitura de Potim se encontraram na manhã desta última quarta-feira, (21), nos estúdios da Rádio Aparecida, para mais um debate das eleições 2016. Durante duas horas tentaram expor suas ideias e propostas para conquistar o eleitorado, em um encontro que foi marcado pela troca de acusações sobre os deferimentos das candidaturas, assunto que tem tomado conta das discussões entre as equipes.

Dividido em 5 blocos, o debate começou com uma pergunta única para todos os candidatos, elaborada pelo Diretor Geral da Rádio Aparecida, Padre Evaldo Cesar. Em seguida os candidatos se confrontaram entre si com perguntas e respostas definidas por sorteio, mesma dinâmica usada no quarto bloco. No terceiro bloco por sua vez, os prefeituráveis responderam a perguntas de ouvintes e entidades da cidade.

Benedito Carlos Thomas (Carlinhos Zaga), (PHS), Edno Félix (Nenê) (PSD), Erica Soler (PR) e João Benedito Angeliri (João Cascão) (PSB), começaram o encontro discutindo um tema que tem sido a tônica de promessas e ataques em todas as cidades da região: a saúde.

Questionado sobre a atual situação, o prefeito afastado Nenê se ateve em ler umas lista de nomes de médicos que ele garante que atendem a população potinense ao longo dos dias de semana. Já o candidato Carlinhos Zaga iniciou sua fala sobre o tema alegando que a população tem se queixando que o principal posto de saúde na cidade não funciona, principalmente no período da noite. “O nosso posto não funciona, e eu quero deixa-lo aberto e com médicos durante 24 horas por dia, mas com médicos e remédios, porque quando o morador tem dor, ele precisa de atendimento”.

Um médico24 horas por dia também foi a promessa de Erica Soler, que ao responder a pergunta fez questão de desmentir o atual prefeito afastado, alegando que não existem tantos médicos atendendo como ele citou anteriormente. “Não temos médicos 24 horas por dia, e quando alguém passa mal depois das 19h, é preciso ir para Santa Casa de Aparecida, e ainda temos que passar por essa humilhação, já que não repassamos nem um centavo para a entidade”.

João Cascão também iniciou sua fala dizendo que a prioridade é um profissional atendendo durante todo o dia na UBS da cidade, mas também citou agendamentos de consultas e a criação de um posto especifico para as mulheres. “Nós vamos oferecer exames com mais agilidade e, além disso, temos que voltar a ter ambulâncias que possam transportar nossos pacientes. E até o dia 8 de março eu vou criar a Saúde da Mulher”.

Confronto – Ao iniciar os confrontos, o clima esquentou no debate, logo na primeira pergunta quando Zaga questionou Nene sobre a aplicação dos recursos, perguntando o motivo da cidade se encontrar, segundo ele, parada, mesmo com verba de R$140 milhões em dois anos. O atual gestor, que está afastado do cargo, relutou, dizendo que ao assumir a prefeitura arcou com diversas dívidas, e afirmando que os valores citados pelo adversário não correspondem com a realidade.

Mas em se falando de confronto, ficou evidente que Erica Soler e João Cascão eram os mais inflamados, mesmo quando não trocavam perguntas entre si, ao utilizarem o tempo necessário, citavam um ou o outro, principalmente quando o assunto era a legitimidade da candidatura.

Soler ao questionar Nenê sobre a situação de sua candidatura, fez alusão que até então, de acordo com os deferimentos da justiça, dois dos candidatos (João Cascão e Carlinhos Zaga) estariam com o registros indeferidos. “Eu sou candidata deferida, mesmo com as informações maldosas e mentirosas da população, ao contrário de outros dois candidatos, um que é irmão do ex-prefeito e o outro que teve contas rejeitadas pelo Tribunal de Contas, por não aplicar o necessário na saúde”, disse a candidata do PR.

Engrossando o coro, Nenê também argumentou sobre o assunto, se mostrando apto, mesmo com todos os problemas que tem enfrentado com a justiça. “Eu acho que só eu e a Erica mesmo que vamos disputar essa eleição. Eu sou um prefeito afastado pela justiça, mas em plenas condições de disputar a eleição”.

Temas polêmicos – Enquanto sobravam ataques, principalmente entre Erica Soler e João Cascão, assuntos polêmicos que talvez pudessem nortear o debate acabaram sendo citados superficialmente. Entre eles o recente afastamento do candidato a reeleição Edno Félix, que na última sexta-feira, (16) foi impedido de exercer a função por determinação do Ministério Público.

Além disso, um dos principais problemas de Potim, apontado pelos moradores, a situação da água, não teve a atenção necessária pelos candidatos, e apenas Nenê fez algumas citações sobre o assunto. “Eu acredito que existem duas maneiras para resolver a situação: acabar com a inadimplência, ou terceirizarmos o serviço”.

Compartilhar é se importar!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

× Como posso te ajudar?