Com avanço da Covid-19, Pinda destaca mudança no perfil de pacientes graves

Cerca de 40% dos internados na UTI possuem menos de cinquenta anos, enquanto cidade tem queda na hospitalização de idosos com mais de 80 anos

A entrada principal do PS de Pinda; cidade registra mudança nos perfis de internados com Covid-19 (Foto: Bruna Silva)

Bruna Silva
Pindamonhangaba

Com mais de 11 mil contaminações identificadas de Covid-19, a Prefeitura de Pindamonhangaba divulgou dados, recentemente, que mostram o aumento de casos graves em pessoas com menos de cinquenta anos. A Prefeitura mantém o apelo para que jovens evitassem encontros sociais.

Ao menos 40% dos pacientes hospitalizados nos leitos da UTI Covid (Unidade de Terapia Intensiva), na última semana, possuíam idade entre 20 e 49 anos. Enquanto 56% da ocupação da enfermaria era de pessoas entre 51 e 69 anos. Pindamonhangaba chegou a ter sobrecarga nos leitos intensivos, quando a taxa de ocupação superou os 100%. Recentemente, o prefeito Isael Domingues (PL) havia feito um pedido para que os jovens deixassem de promover festas e encontros sociais, evitando, assim, que o vírus circulasse na cidade.

Conforme o último boletim epidemiológico, publicado nesta quinta-feira (29) 238 pessoas morreram em decorrência do novo coronavírus, em Pindamonhangaba. Embora tenha relato déficit de vacinas, devido ao Estado ter enviado número abaixo do esperado, 36.103 já foram imunizadas, conforme o grupo prioritário da doença (entre primeira e segunda aplicação). Nos primeiros meses de vacinação já é possível notar a queda de 95% das hospitalizações de idosos acima de oitenta anos, um dos primeiros grupos a receber a vacina.

Embora já seja possível notar a eficácia da campanha vacinal, cerca de trezentos profissionais de saúde e idosos, ainda não tinham ido receber a segunda dose até a última quarta-feira (28), o que compromete a proteção ao coronavírus. A secretaria de Saúde aguarda o retorno dessas pessoas, caso não voltem as doses serão destinadas aos profissionais de apoio da pasta que ainda não receberam a primeira dose.

Compartilhar é se importar!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

× Como posso te ajudar?