Após polêmica, Pinda divulga dados do atendimento a pessoas em situação de rua

Mais de cem abordagens foram realizadas durante o mês de março; alojamento emergencial criado no último ano segue em atendimento

Abordagens a moradores em situação de rua são intensificadas em Pinda; pedido de vereador sofre retaliação (Foto: Divulgação PMP)

Bruna Silva
Pindamonhangaba 

Após o polêmico pedido de um vereador de Pindamonhangaba para uma ação mais efetiva quanto a presença de pessoas em situação de rua, a Prefeitura ressaltou as abordagens e atendimentos sociais feitos realizados nas últimas semanas. A intensificação da fiscalização, em trabalho da GCM (Guarda Civil Metropolitana), na região central, dividiu opiniões.

Segundo o Município, as abordagens feitas pela secretaria de Assistência Social seguem de maneira regular. Somente em março, 105 abordagens foram feitas para a população de rua na cidade. Durante o atendimento, são realizadas orientações de prevenção à Covid-19 e encaminhamento ao alojamento emergencial municipal, na Quadra Coberta. O espaço foi criado ainda em março do ano passado, com o objetivo de tratar dignamente esses moradores. O abrigo conta com camas, alimentação diária e roupas. Atualmente, são atendidos 15 homens, há ainda mais 15 vagas em parceria com o SOS (Serviço de Obras Sociais).

Há três anos, Pinda realiza o “Programa Ronda Noturna”, que busca intensificar as abordagens durando o período mais frio do ano, o foco é reduzir o risco social. “Essas pessoas merecem todo nosso carinho e atenção, pois trata-se de seres humanos e nosso objetivo principal é reinseri-las na sociedade bem como encaminhá-las aos programas sociais ofertados no município”, comentou a secretaria de Assistência Social de Pindamonhangaba, Ana Paula Miranda.

Apesar dos esforços, há uma parcela de pessoas em situação de rua que resistem a deixar a situação de vulnerabilidade. A Prefeitura frisou que isso não diminui o foco dos trabalhos. “Pelo contrário. Nós continuamos insistindo, ofertando, sendo presente na vida dessas pessoas. As causas são diversas: ausência de vínculos familiares, perda de algum ente querido, desemprego, violência, perda da autoestima, alcoolismo, uso de drogas e transtornos mentais”.

Pindamonhangaba oferta programas sociais como Bolsa Família, Pead (Programa Emergencial de Auxílio ao Desempregado), capacitação profissional, fortalecimento de vínculos e EJA (Educação de Jovens e Adultos).

Histórico – Recentemente, um pedido do vereador, Francisco Norberto Silva Rocha, o Norbertinho (PP), dividiu opiniões dos moradores de Pindamonhangaba. Nele, o parlamentar solicitava à Prefeitura fiscalizações da GCM na praça dos pontos de ônibus do município, devido ao “excesso de andarilhos”. Ele apontou que a medida visava apoio aos comerciantes locais que reclamavam de agressões e também de pessoas fazendo uso de entorpecentes.

Apesar de apoiada por uma parcela dos moradores, a ação gerou também indignação. Uma nota de repúdio foi lançada pela Comissão de Direitos Humanos da OAB (Ordem dos Advogados do Brasil). Há ainda uma movimentação sobre o tema no Ministério Público.

Questionado pelo Jornal Atos sobre uma possível Comissão de Ética instaurada na Câmara, o presidente da casa, José Carlos Gomes, o Cal (PRB), destacou que ainda não há pedido para tal ação.

Compartilhar é se importar!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

× Como posso te ajudar?