Alta de casos de Covid-19 gera pedidos de retomada de máscaras em Pinda

Obrigatoriedade do uso de equipamento de proteção foi retirada em março deste ano, mas medo de nova onda pode levar a retomada

Ação no início da pandemia da Covid-19, que distribuía máscaras grátis; Pinda tem pedidos para retomada de utensílio de prevenção (Foto: Reprodução PMP)

Bruna Silva
Pindamonhangaba

A alta do coronavírus gerou pedidos de retomada de máscaras de proteção em Pindamonhangaba. A preocupação com a disseminação da doença cresceu, após a cidade identificar mais de quatrocentos casos, na última semana. Até o momento, mesmo com recomendação do Estado, não há decisões do Município para o uso da proteção.

Conforme o boletim semanal, avaliado de 24 a 30 de maio, foram 426 novas contaminações identificadas em mais de vinte bairros como Araretama, Alto Cardoso, Bem Viver, Colonial Village, Bonsucesso, Borba, Mombaça, Ouro Verde e Parque das Nações; além do distrito de Moreira César.

Os dados fizeram com que fosse ligado o alerta de prevenção à doença. Moradores usaram as redes sociais para pedir a retomada obrigatória do uso de máscara de proteção, como meio de inibir o crescimento da doença. “Eu acho que deveria voltar o uso de máscara em locais fechados. Principalmente nessa época do ano ou até que tenha uma diminuição significativa. Não é porque não tem internações ou morte que deve relaxar”, escreveu uma moradora no Facebook.

Apesar da quantidade de contaminações, a taxa de ocupação nos leitos da UTI (Unidade de Terapia Intensiva) pública está zerada, enquanto a ocupação na rede privada é de 25%. As enfermarias estão com 27% de hospitalização, dado que leva em consideração os leitos públicos e privados.

Por outro lado, 96% da população foi vacinada com ao menos uma dose do imunizante contra a Covid-19. Enquanto a cobertura da segunda dose é de 90%. As doses adicionais representam 66,4%. O coronavírus vitimou 495 pessoas em Pindamonhangaba, principalmente no período mais crítico da pandemia, entre junho de 2020 a julho de 2021.

Compartilhar é se importar!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

× Como posso te ajudar?