Com trégua das chuvas, Lorena inicia obras de recapeamento e retoma Operação Tapa-buracos

Alvo de cobranças da população recebe cerca R$ 550 mil para recapear vias; empresa terceirizada deve reforçar manutenção das ruas

Obras iniciadas na avenida São Tomás, na Vila Hepacaré; Prefeitura também retoma serviços com os buracos pelos bairros (Foto: Rafaela Lourenço)

Rafaela Lourenço
Lorena

Foco de reclamações de moradores de Lorena, os buracos no asfalto em diferentes bairros são alvo do trabalho que teve um avanço com a infraestrutura nesta semana. Com cerca de R$ 550 mil, a Prefeitura iniciou obras de recapeamento em quatro vias. Já a operação tapa-buracos anunciada para esta segunda-feira, teve início na última quinta.

Os investimentos para o recapeamento de R$ 518 mil e R$ 41 mil são provenientes de um convênio com o Ministério do Desenvolvimento Regional e contrapartida municipal, respectivamente. Os serviços que tiveram início na sexta-feira (11), na rua Carlos Chagas no Olaria e avenida São Tomás, no Vila Hepacaré, também contemplarão as ruas Machado de Assis com pavimentação e o recapeamento da Olavo Bilac.

Segundo a secretária de Obras e Planejamento Urbano, Rosana Reis, a previsão é de que os trabalhos sejam encerrados ainda em fevereiro. “Mas é lógico que se chover torrencialmente do jeito que a gente tem visto, eles (empresa) vão ter que parar e dar continuidade no serviço na hora que o tempo estiver melhor”.

O mau tempo com o registro de chuvas nas últimas semanas está entre as justificativas do Executivo pela falta da operação tapa-buracos nas ruas. Leitores e ouvintes do Atos no Rádio, indignados com a situação de vias esburacadas, se manifestaram durante a semana. “Alguém aí caiu em algum buraco hoje? Aqui no Santo Antônio, perto da minha casa, tem cada buraco e a Prefeitura não faz nada. A gente tem que ter carro como Range Rover, 4×4, porque o tanto de buraco que tem! Pagamos nossos impostos, onde está indo o nosso dinheiro?”, questionou o internauta Flávio Magalhães de Paula.

De acordo com o secretário de Serviços Municipais, Waldemilson da Silva, o Tão, “devido o alto índice de chuvas, a usina que produz a massa asfáltica também sofre danos e deixa de produzir e de fornecer”. De forma paliativa, para amenizar os impactos dos buracos, a pasta estava trabalhando com massa fria, sem sucesso, também devido às chuvas. “Tivemos que interromper porque se não fica gastando massa, e é dinheiro jogado fora”, frisou.

Os trabalhos terão início nas ruas que recebem o maior fluxo de veículos, como Antonio Haddad, no Santo Antonio e Targino Vilela Nunes, no Vila Nunes. Após as principais vias, as adjacentes serão atendidas. “Temos um mapa hoje, faz esse, faz aquele. No outro dia você tem um cronograma já praticamente, de tanto buraco que tem na cidade”, comentou Tão.

Para acelerar a Operação dos servidores municipais, a terceirizada que presta serviços com maquinário para a secretaria de Obras e Planejamento Urbano também deve atuar nos buracos das vias, porém, nos de maior profundidade. Rosana Reis explicou que os trabalhos ainda não haviam iniciado devido as chuvas, mas que vias deterioradas como a Paraná, Nesrala Rubez, Madame Curie, Expedicionário Genésio Valentim Corrêa e estrada Santa Terezinha serão contempladas.

Obras – As obras em galerias de águas pluviais, também afetadas pelas chuvas puderam avançar na última semana. No Vila Nunes, Rosana ressaltou que os trabalhos não foram paralisados e seguem em fase final, assim como na rua Barão de Castro Lima, na região central. Já a rua Gerônimo Lorena, no Vila Passos, que foi ponto de alagamento no início da semana, teve a abertura do solo na última sexta-feira para a instalação das manilhas.

Os trabalhos na principal avenida do Bairro da Cruz, a Sete de Setembro, iniciaram na manhã desta segunda-feira.

Compartilhar é se importar!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

× Como posso te ajudar?