Bandido se passa por agente de saúde e rouba idosa de 87 anos

Em Aparecida, ladrão chegou a aferir a pressão da vítima antes de levar joias; Polícia mantém buscas por golpista

Rafael Rodrigues
Aparecida

Uma senhora de 87 anos foi vítima de um golpe na manhã desta sexta-feira, em Aparecida. Se passando por agente de saúde, um homem com idade entre 25 e 28 anos, segundo a descrição, conseguiu entrar na casa da vítima.

De posse de uma prancheta ele fez várias perguntas sobre o estado de saúde da idosa, que acabou passando várias informações.

O bandido ainda aferiu a pressão da senhora, momento em que solicitou que ela tirasse os pertences, entre os quais dois cordões e uma pulseira de ouro, para que não atrapalhasse o procedimento. Em seguida o suposto agente pediu que ela trouxesse a caixa do remédio que a vítima havia dito que tomava, dando tempo suficiente para que ele roubasse as joias e fugisse sem deixar rastros.

A idosa mora sozinha no bairro da Ponte Alta, e logo depois de perceber que havia sido vítima de um crime chamou o filho, que de imediato foi até o posto de saúde do bairro pedir informações. Os funcionários lamentaram a situação, mas alertaram o morador que não havia atendentes com as características descritas do falso agente.

“Um homem de cor parda, vestindo camisa branca e calça jeans fez um monte de perguntas para minha mãe, e depois pediu para ela tirar as joias para ele medir a pressão, quando ela se virou um instante ele roubou ela e fugiu”, contou ainda assustado o filho da vítima, o aposentado Roberto Lima.

De posse das informações a vítima e o filho foram até a delegacia de polícia fazer boletim de ocorrência. A Polícia Militar iniciou um trabalho de busca pela cidade na tentativa de identificar o autor do crime, mas até o momento ninguém foi preso. A suspeita é de que o criminoso conheça a rotina da vítima e dos agentes do posto de saúde do bairro.

Prefeitura – Por meio de nota, a Prefeitura de Aparecida informou que a secretaria de Saúde orienta que os agentes de saúde são identificados por uniforme e crachá. São funcionários concursados que atuam nos mesmos bairros desde 2010.

Com relação aos agentes da dengue, eles trabalham sempre em equipe, nunca sozinhos. E também utilizam crachá e uniforme.

A pasta esclareceu ainda que os agentes de saúde são moradores do próprio bairro ou da microrregião estabelecida, de forma que são conhecidos da comunidade. “Em caso de dúvida, a secretaria orienta que a população não abra a sua residência. O telefone em caso de dúvida é 3104-4455.”

Compartilhar é se importar!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

× Como posso te ajudar?