À espera de licitação, Dutra reduz em 75% o número de mortes no ano

Série de medidas implantadas pela CCR NovaDutra resultam no menor índice de acidentes fatais em 22 anos; governo quer incluir Rio-Santos em pacote de gestão

Acidente na rodovia Presidente Dutra, em 2018; ano fechou com queda de 75% nas mortes na estrada federal, que liga São Paulo ao Rio (Foto: Arquivo Atos)
Acidente na Dutra, em 2018; ano fechou com queda de 75% nas mortes na estrada federal, que liga São Paulo ao Rio (Foto: Arquivo Atos)

Caroline Meyer
Regional

A rodovia Presidente Dutra registrou 130 acidentes com vítimas fatais de janeiro a dezembro do ano passado. O índice representa uma queda de 75% no número desde a sua privatização, em 1996.

A CCR NovaDutra, que gerencia a rodovia desde 1996, destacou que no primeiro ano da concessão foram registrados 520 acidentes. Os números são considerados mais favoráveis visto que apesar do aumento no volume de tráfego, houve uma redução de 87% no número de mortos. No último ano, a queda foi de 11% (9.028 acidentes em 2017 para 8.054 acidentes em 2018).

Um levantamento recente da CCR revelou, em dezembro, que dos 94.928 atendimentos, cerca de 59.978 foram causadas por pane mecânica. A pesquisa foi realizada de janeiro a novembro de 2018.

Em seguida, aparece o pneu furado como responsável por 15.277 acidentes, a pane seca (8.531 ocorrências), o superaquecimento do motor (4.704), bateria descarregada (4.017) e pane elétrica (2.967).

Além da redução dos acidentes, a concessionária comemora o trabalho realizado após 22 anos de gestão, que tem previsão de término para fevereiro de 2021. Ao assumir a responsabilidade pela rodovia, em março de 1996, a empresa se deparou com pistas esburacadas, sinalização precária, ausência dos muros separadores de pistas e pontos de travessia em nível.

Entre as medidas instauradas pela NovaDutra estão a parceria com a PRF (Polícia Rodoviária Federal) e a ANTT (Agência Nacional de Transportes Terrestres), que contou com investimento de R$ 20 bilhões aplicados em campanhas, conservação da rodovia e melhorias permanentes nas pistas e nas placas de sinalização.

A concessionária mantêm ainda campanhas de segurança para pedestres e motoristas promovidas mensalmente. As medidas incluem a instalação de radares de velocidade que auxiliam na fiscalização já realizada pela PRF.

As ações de conscientização, realizadas mensalmente, incluem divulgação na rádio da concessionária (CCR-FM 107,5 NovaDutra), distribuição de panfletos informativos e alertas com dicas de segurança no PMVs (Painel de Mensagem Variável).

Ainda sem acordo – O debate em busca de um novo acordo para o gerenciamento da Via Dutra deve ter bem mais obstáculos que a CCR esperava. Em 2017, o Governo Federal recusou a oferta do grupo de R$ 3 bilhões de recursos para obras, em troca de mais 16 anos de concessão.

Em reunião entre o ministro da Infraestrutura, Tarcísio Freitas, e o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), a parceria entre os poderes determinou que a Rio-Santos, via que liga o litoral dos dois estados, será privatizada e deve entrar no pacote do leilão de relicitação da NovaDutra, prevista para 2021, quando o grupo CCR deixará de gerir a rodovia.

Compartilhar é se importar!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

× Como posso te ajudar?