Apesar de intervenção, reforma do Pronto Socorro de Pinda entra na segunda fase

Contando com recursos estaduais e municipais, obra de recuperação não compromete rotina de atendimento na cidade

Corredores do Pronto Socorro de Pindamonhangaba, que entra na segunda fase de reforma estrutural (Foto: Divulgação)
Corredores do Pronto Socorro de Pindamonhangaba, que entra na segunda fase de reforma estrutural (Foto: Divulgação)

Lucas Barbosa
Pindamonhangaba

Sob intervenção administrativa da Prefeitura de Pindamonhangaba desde a última semana, o Pronto Socorro Municipal entrou no último dia 8 na segunda fase de sua reforma, iniciada no segundo semestre do ano passado. Com um investimento superior a R$ 2 milhões, a expectativa é que o serviço seja concluído até o fim do ano.

Iniciada em agosto de 2017, a recuperação do prédio foi viabilizada através de investimento estadual de cerca de R$ 1,5 milhão e uma contrapartida municipal de aproximadamente R$ 800 mil. A primeira fase, concluída na última semana, consistiu na recuperação e adequação do primeiro andar da unidade, que passou a abrigar os pacientes submetidos aos atendimentos médicos, ambulatoriais e de observação.

Mesmo recebendo a segunda etapa da reforma, o térreo do Pronto Socorro permanecerá usado para atendimentos de urgência e emergência. O pavimento inferior também conta com um consultório para pacientes com dificuldades de locomoção. “Pedimos a compreensão da população neste novo momento das obras. Estamos cientes que haverá certo conflito, mas será temporário para que a reforma seja concluída. Ao final, teremos o dobro do espaço de atendimento do PS. Serão dois andares, elevadores e uma ala exclusiva para atender as crianças”, contou o prefeito Isael Domingues (PR).

Após a conclusão da segunda etapa da obra, a seguinte recuperará a parte de trás do prédio.

Além de ressaltar a importância da obra, a secretária de Saúde e Assistência Social, Valéria dos Santos, revelou a expectativa sobre o prazo de conclusão da reforma. “Esta recuperação é uma antiga reivindicação da população, que cobrava um prédio mais adequado e moderno. Além do atendimento aos pacientes, contribuirá positivamente para a atuação das equipes médicas. Nossa meta é que a reforma seja finalizada em dezembro deste ano”.

Intervenção – No último dia 6, a Prefeitura anunciou intervenção administrativa no Pronto Socorro. Em nota oficial, o Executivo justificou que a medida foi tomada porque “a ABBC estava perdendo contratos regionais de fornecedores, indícios de que a entidade enfrenta problemas financeiros”.

A atual gestão também afirmou que a empresa cometeu outras falhas como a falta de apresentação de prestação de contas e de comprovantes de pagamentos de seus funcionários e fornecedores.

A previsão é que a intervenção ocorra até 6 de julho, podendo ser prorrogada por até seis meses.

De acordo com a secretária de Saúde, Valéria dos Santos, a intervenção não alterou a qualidade do serviço prestado aos pacientes do Pronto Socorro, que continua contando com a mesma equipe médica e demais funcionários.

Em resposta, a ABBC emitiu um comunicado oficial classificando como “inverdades” as acusações feitas pelo Executivo.

Além de afirmar que a Prefeitura cometeu um ato ilegal e arbitrário, a organização social revelou que levará o caso à Justiça.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>