Adefil aguarda aprovação de plano de trabalho para retomar atendimento

Sistema que atende mais de cem pessoas em Lorena tem expectativa de liberação na secretaria de Saúde para o início de 2016

A estrutura de aparelhos da Adefil utilizada no atendimento a mais de cem deficientes físicos de Lorena (Francisco Assis)
A estrutura de aparelhos da Adefil utilizada no atendimento a mais de cem deficientes físicos de Lorena (Francisco Assis)

Da Redação
Lorena

A assistência a mais de cem deficientes físicos realizada pela Adefil (Associação dos Deficientes Físicos de Lorena) ainda não tem data para ser retomada. A entidade paralisou os trabalhos após o anúncio da Prefeitura sobre a proibição dos repasses pelo Tribunal de Contas do Estado.
Em setembro, o município foi proibido pelo TCE de enviar os aportes após o tribunal apontar falhas na prestações de contas das entidades em 2009.
A Adefil encaminhou o plano de trabalho, com a expectativa da liberação de convênio para 2016 a partir de janeiro. A associação é a única entre as 12 entidades que tiveram o aporte bloqueado a não fazer parte do documento de liberação, assinado no último dia 10, pelo prefeito Fábio Marcondes (PSDB), já que somente ela tem o repasse ligado à secretaria de Saúde.
O termo de aditamento de convênios para 2016 definiu a retomada de verbas de R$ 2.580.974,40 para as instituições de assistência pela secretaria de Assistência e Desenvolvimento Social.
O documento entregue pela Adefil foi repassado para a secretaria de Saúde, que deve encaminhar a resposta até o final da próxima semana. De acordo com a assessoria da Prefeitura, a avaliação inicial é de que o Plano de Trabalho da associação está dentro da prognóstico do município. A secretária Imaculada Conceição Magalhães analisa o plano, que, segundo o presidente da Adefil, Zacarias Gomes, deve garantir por volta de R$ 31 mil para o trabalho de assistência e o pagamento de funcionários da associação, mesma média repassada este ano.
O valor corresponde a 95% do orçamento da associação. Outros 5% são de doações e campanhas como a venda de produtos de artesanatos produzidos pelos assistidos pela Adefil, em um ponto do Fundo Social no shopping Eco Valle. “Mesmo com esse repasse sendo liberado, vamos tentar aumentar as ações para captar recursos, para não seremos pegos de surpresa como aconteceu agora”, destacou Zacarias Gomes, que assumiu a presidência em março, após o afastamento de Natanael Cardoso. A espera de apoio para o atendimento, a diretoria disponibilizou uma conta no banco Santander (13.01771-6, agência 0266).
“Essa verba é repassada para pagar funcionários e manutenção do trabalho feito aos atendidos. Além da assistência social, há o trabalho de atendimento fisioterápico”, contou Gomes.
O corte na verba levou a Adefil a dispensar os funcionários do atendimento, como fisioterapeuta, líder administrativa, professora de artesanato e de cozinha. Somente a assistente social Silvia de Fátima Germano segue auxiliando Gomes na entidade, com funcionamento apenas no período da manhã, desde outubro. “Essa interrupção no tratamento prejudica muito a pessoa que precisa do tratamento diário. Além das pessoas com deficiência física, atendemos as famílias, com serviço de psicologia, trabalhando. É um trabalho de aceitação por parte dos familiares, assim como trabalhamos a inclusão da pessoa no mercado de trabalho”, contou Silvia.
O atendimento médico, direcionado pela Adefil, segue realizado em parceria com a Unimed e a secretaria de Saúde.

Compartilhar é se importar!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

× Como posso te ajudar?