Prefeitura promete remoção de plantas aquáticas para melhorar fluxo de rios em Guaratinguetá

Após dois anos de acúmulo sob pontes, Meio Ambiente confirma limpeza constante de cabeceiras e margens

Ponte em Guaratinguetá, tomada por mata; Prefeitura promete ação de limpeza em rios e ribeirões, após acúmulo de plantas aquáticas (Foto: Leandro Oliveira)
Ponte tomada por mata; Prefeitura promete limpeza de rios e ribeirões, após acúmulo de plantas aquáticas (Foto: Leandro Oliveira)
Leandro Oliveira
Guaratinguetá
Ainda no período chuvoso e na transição do Verão para o Outono, a região voltou a sofrer com chuvas pontuais. As cheias dos rios que desaguam no Paraíba do Sul podem acarretar o acúmulo de macrófitas, o que tem causado problemas em Guaratinguetá há dois anos, mas dessa vez, a secretaria de Meio Ambiente promete remover as plantas.

Em 2016, uma erosão próxima à estrutura da ponte Dr. Netinho, que faz parte do complexo viário Mário Covas, causou a interdição total da via, que liga o Jardim Rony ao Campo do Galvão. Na época foi confirmado pelo chefe da Defesa Civil, Luiz Augusto Barbosa, que “a maior preocupação era com o fluxo de água sob a ponte” devido ao acúmulo das plantas aquáticas. A cena se repetiu em 2017, na própria ponte Dr. Netinho e nas pontes Adhemar de Barros e Metálica.

Não foram registradas interdições, mas sim o acúmulo das macrófitas sob as pontes. Neste ano, a secretária de Meio Ambiente, Giane Bresolin, confirmou que está sendo realizada a remoção dos aguapés. “O trabalho feito no município, foi uma solicitação nossa, principalmente na cabeceira das pontes”, destacou. A Agevap (Agência Pró-Gestão das Águas da Bacia Hidrográfica do Rio Paraíba do Sul) assinou um termo de cooperação com a Prefeitura. A agência retirou as macrófitas próximas às pontes no perímetro urbano. “Acredito que se ficou ainda (macrófitas) é pouco. Isso foi avaliado pelos técnicos da Agevap e da Defesa Civil”, argumentou a secretária.

A limpeza e a remoção das plantas aquáticas das cabeceiras e margens dos rios no perímetro rural ainda não tiveram início, mas serão realizadas ainda no primeiro semestre, de acordo com a Giane.

Compartilhar é se importar!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

× Como posso te ajudar?