Obras deixam famílias do São Manoel sem ônibus

Moradores reclamam de problemas nas linhas e do ritmo dos trabalhos no bairro de Guará

Carlos Pimentel
Guaratinguetá

Esperada há mais de cinquenta anos pelos moradores, as obras de pavimentação no bairro São Manoel não só se tornaram uma realidade, como também um problema na cidade. Entre os problemas, a interdição da estrada vicinal Plínio Galvão César, que faz a ligação do Centro da cidade com o bairro dos Pilões.

Desde a assinatura do empréstimo com a Caixa Econômica Federal para liberação de linha de crédito para a infraestrutura e pavimentação, em 2014, a população aguardava as obras que tiveram início em junho deste ano. Mas o trabalho tem tirado o sossego e a paciência dos moradores que enfrentam dificuldades em realizar tarefas diárias.

Na Plínio Galvão César, a interdição impede o trafego, com destaque para a linha de ônibus entre bairros como os Pilões e o Centro. Os usuários tem de percorrer um grande percurso até suas casas.

“Os usuários ficam perdidos e não sabem quando o ônibus vai ou não entrar no bairro. Às vezes entra, às vezes não. Muitas senhoras têm que caminhar por caminhos longos no sol, e não adianta reclamar que eles não ligam. Atrapalha muito a vida dos moradores daqui”, contou a moradora do São Manoel, Tamires Alves.

Além de não chegar ao bairro, as linhas deixam de atender outras comunidades como Capituba e Pilões. “A gente fica sem informação, perdida. Eu moro na Capituba, que fica bem mais a frente do São Manoel. Agora o ônibus parou aqui e eu vou ter que caminhar longos quilômetros para encontrar com meu marido. Graças a Deus temos carro. Quem não tem, retorna no ônibus até o Centro para pegar a linha da Colônia e seguir para a Capituba e Pilões É muita sacanagem com a população”, ressaltou Vanessa Lima, moradora da Capituba.

Segundo o morador do bairro, Márcio Correa, além da questão do ônibus, os moradores também enfrentam problemas com o andamento da obra, pois os funcionários da empresa Valguará, responsável pelos trabalhos, são mal educados e estão deteriorando parte dos imóveis da população. “Eles chegam na rua de qualquer jeito e vão rasgando a rua inteira. Arrancaram minha lixeira e quando vamos argumentar com eles, somos maltratados. Queremos muito a pavimentação do bairro, mas também queremos viver tranquilamente durante a obra”, comentou.

As obras contarão com aproximadamente 25 mil metros quadrados de pavimentação, sendo oito mil metros quadrados em asfalto e 17 mil metros quadrados em bloquetes de concreto, guias e sarjetas. Além da pavimentação, serão feitos 16 mil metros quadrados de calçadas adequadas à acessibilidade, com revisão na rede de distribuição de água e da rede coletora de esgoto. Finalizando as obras, serão executadas as sinalizações horizontal e vertical nas ruas do bairro. O valor da obra será de R$ 7,4 milhões.

A licitação contou com quatro empresas. A vencedora foi a Valguará, com sede na própria cidade. A obra também contempla a abertura de uma ligação viária com o bairro Village Santana, desafogando o tráfego na Estrada Vicinal Plínio Galvão César, até hoje a única ligação do São Manoel com o centro urbano do município.

Segundo o secretário de Obras, Marcos Guimarães, pelo tamanho do bairro, as tubulações de drenagem que estão sendo passadas pelas ruas do bairro são grandes, e já eram previstos problemas. “As reclamações são até um certo ponto normais. A empresa está escavando as ruas para colocar a tubulação, algo que gera um certo transtorno. Em alguns locais tivemos que pedir até a parceria da EDP Bandeirantes para segurar os postes de iluminação. A empresa iniciou o serviço em junho, e estamos com quatro meses de obra, com andamento de 24% das obras, portanto, dentro do cronograma”, salientou.

O secretário pediu paciência aos moradores, e afirmou que todas reclamações da população são repassadas para a Valguará, responsável pela obra. O próprio engenheiro residente tem atendido. “Qualquer outra reclamação pode ser feita diretamente no canteiro de obras que fica à Rua 2, e a empresa irá procurar atender dentro de suas possibilidades. Além do que a empresa conta com quatro funcionários moradores do bairro que levam as reclamações para os engenheiros. Pedimos paciência, pois é uma obra grande que vai valorizar muito as casas do bairro”.

Sobre a questão dos ônibus, a Prefeitura de Guaratinguetá informou que o bairro passa por obras de drenagem e pavimentação, e os moradores terão que ter paciência neste período de obras, pois não há a possibilidade da entrada do ônibus no bairro.

Compartilhar é se importar!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

× Como posso te ajudar?