Guará tem mais um incêndio em unidade do PEV

Postos de entrega voluntária chegam a terceira ocorrência em um ano, Saeg confirma novas medidas

Incêndio que destruiu parte do PEV no Parque São Francisco e acendeu sinal de alerta; em um ano, foram três ocorrências na cidade (Foto: Divulgação)
Incêndio que destruiu parte do PEV no Parque São Francisco; em um ano, foram três ocorrências na cidade (Foto: Divulgação)

Leandro Oliveira
Guaratinguetá

Pela terceira vez em um ano, um Posto de Entrega Voluntária de lixos e resíduos foi atingido por um incêndio em Guaratinguetá. Dessa vez a unidade atingida foi no Parque São Francisco. As duas primeiras ocorrências foram registradas no PEV (Postos de Entrega Voluntaria) do São Dimas. De acordo com as investigações iniciais, pelo horário do incêndio, a possibilidade é de que tenha sido de natureza criminosa.

O incêndio da última quarta-feira destruiu parcialmente um dos contêineres do PEV. O local armazena entulho e materiais recicláveis. Foi necessária a utilização de uma retroescavadeira para conter as chamas. De acordo com informações da Saeg (Companhia de Água, Esgoto e Resíduos de Guaratinguetá), a ocorrência foi registrada às 22h e nenhuma pessoa ficou ferida.

“Até às 21h30 não tinha fogo. O incêndio começou às 22h, segundo os moradores. O PEV não tem nenhum material que provoque combustão. Se fosse durante o dia a gente poderia falar que, por conta do sol, pegou fogo. Mas pela forma que o fogo estava dentro do PEV, foi realmente colocado”, respondeu o diretor de Resíduos da Saeg, Gonçalo Ferraz, confirmando a possibilidade de incêndio criminoso.

A hipótese levantada pelo diretor para o caso desta semana é a mesma que foi colocada como principal nas ocorrências anteriores, no PEV do São Dimas. “Na realidade não pega fogo por causa do sol. No caso de agora, a gente tem uma caçamba de 30m³ que é para colocar madeira, e o fogo pegou do lado e caiu dentro da caçamba, e isso dificultou pois tivemos que utilizar uma retroescavadeira”, citou.

Por não se tratar de um caso isolado, a Saeg confirmou que deverá tomar medidas cautelares para evitar novos incêndios nas duas unidades. Na ocorrência da última quarta-feira o Corpo de Bombeiros trabalhou por três horas para conter as chamas. A ocorrência afeta o trabalho dos militares e destrói a estrutura dos PEV’s.

“Estamos em estudos orçamentários para colocar um sistema de câmeras ou um funcionário para tomar conta dos Postos. Infelizmente, nessa época de seca, a população joga fogo e ele propaga dentro do PEV”, concluiu o diretor, que preferiu não citar prazos para essas medidas.

Compartilhar é se importar!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

× Como posso te ajudar?