Com posição estratégica, Vale do Paraíba recebe investimentos da MRS

Região é responsável por 10% do total de carga transportada na malha ferroviária; ações têm foco na segurança e interação com a comunidade

Motociclistas aguardam passagem de trem em rua no Centro de Guará; MRS investe nas cidades da região (Foto: Juliana Aguilera)
Motociclistas aguardam passagem de trem em rua no Centro de Guará; MRS investe nas cidades da região (Foto: Juliana Aguilera)

Juliana Aguilera
Região

Uma série de ações da MRS Logística tenta amenizar os riscos em áreas cortadas pela ferrovia na região. A empresa anunciou, recentemente, que os investimentos no Vale do Paraíba devem continuar. De 2013 a 2017, o transporte na região quase triplicou, fechando o ano com 10% de toda carga transportada pela empresa, um total de 17 milhões de toneladas.

Foram investidos, nos últimos cinco anos, cerca de R$450 milhões no Estado de São Paulo, incluindo o novo trecho do ramal que liga o Vale à Baixada Santista.

O gerente geral de comunicação, Marcelo Kanhan, explicou que os investimentos em ferrovia são a longo prazo, com obras que chegam a durar um ano e meio. Na região, as ações têm dado frutos. “A Segregação Leste é um trecho que foi feito do ramal do Vale do Paraíba para a Baixada Santista e evita que o trem entre na Região Metropolitana de São Paulo. Isso facilita uma maior segurança, transporte mais rápido e, consequentemente, mais barato”.

“Queremos abordar o empresariado da região e apresentar o trem containers como uma solução mais barata, confiável e previsível para a logística deles”, afirmou Kanhan, sobre o plano da empresa em buscar novos clientes e ampliar o número de cargas transportadas.

Segundo o gerente, além de uma capacidade de transporte superior, comparado à malha rodoviária, o custo da carga também é menor. “Depende muito do tipo e da rota, mas em geral, o transporte fica 15% a 20% mais barato que o por rodovia”.
Outra vantagem reforçada pela MRS é o menor impacto ambiental (sete vezes menos poluentes) e a segurança. Nos últimos anos o número de cargas roubadas foi zerado.

Comunidade – A MRS Logística investe também em trabalhos de conscientização com moradores da região que vivem perto da malha ferroviária. “O trecho do Vale do Paraíba é praticamente uma conurbação urbana (extensa área urbana formada por cidades e vilarejos). Isso gera a necessidade da gente ter um relacionamento com quem mora ali, para conscientizar as pessoas dos cuidados necessários”, explicou Kanhan.
A MRS fechou, em abril e maio, parceria com as secretarias da Educação de Guaratinguetá e Aparecida para a ação de conscientização com crianças de escolas municipais.

O gerente da empresa destacou que os acidentes acontecem majoritariamente pelo descuido da população. “Uma grande dificuldade da ferrovia é o peso do trem. Por ser muito pesado, mesmo que o maquinista acione todos os freios de emergência, em qualquer anormalidade, o trem vai deslizar por mais mil metros”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>