Com 173 assassinatos, RMVale segue como região líder do ranking paulista da violência

Vale tem aumento de homicídios dolosos em 2018; Lorena e Guará são destaques negativos

Delegacia de Lorena, uma das cidades com os piores índices de criminalidade no Estado; Vale do Paraíba continua em destaque negativo (Foto: Divulgação)
Delegacia de Lorena, uma das cidades com os piores índices de criminalidade no Estado; Vale continua em destaque negativo (Foto: Divulgação)
Lucas Barbosa
Regional
Na contramão da maioria das regiões do Estado, a RMVale (Região Metropolitana do Vale do Paraíba) registrou um aumento de vítimas de homicídios dolosos (quando existe a intenção de matar) no primeiro semestre do ano, comparado ao mesmo período de 2017. Líder em violência, a área é a única do interior que possui uma taxa de mais de 10 homicídios por 100 mil habitantes.De acordo com o levantamento da secretaria de Segurança Pública do Estado, de janeiro a junho 173 moradores da RMVale tiveram as vidas interrompidas pela violência. O número é 6% superior ao dos primeiros seis meses de 2017, quando foram contabilizados 163 assassinatos.

Além do Vale do Paraíba, somente a região de São José do Rio Preto teve aumento de casos no comparativo entre os primeiros semestres de 2017 e 2018.

Outro dado preocupante é que a RMVale possui uma taxa de 13,86 homicídios por 100 mil habitantes. De acordo com a classificação da OMS (Organização Mundial de Saúde), que estabelece a taxa de até 10 homicídios por 100 mil habitantes como tolerável, a situação do Vale é considerada como um quadro de ‘violência endêmica’. O índice é quase o dobro da média do Estado, que é 7,5.

Na sub-região 3, que conta com nove municípios, Lorena é o que registrou o maior número de vítimas de homicídios dolosos de janeiro a junho, com 17 ocorrências. O número representa um aumento de 70% no comparativo com a mesa época do ano passado, quando ocorreram dez mortes.
Na vice-liderança do “ranking da morte” na sub-região 3 aparece Guaratinguetá com 15 casos, 25% a mais do que no primeiro semestre de 2017, que teve 12 ocorrências.

Com um aumento de 100% no comparativo, Potim saltou de 5 para 10 assassinatos.
Já na sub-região 2, integrada por dez cidades, Pindamonhangaba teve 10 moradores mortos de janeiro a junho deste ano, um a mais do que na mesma época de 2017.

As demais cidades da região que registraram homicídios dolosos no primeiro semestre de 2018 foram Aparecida (5), Cachoeira Paulista (1), Caçapava (4), Canas (2), Cruzeiro (7), São José dos Campos (26), Jacareí (17) e Taubaté (15).

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>