Erro em postagem da Prefeitura sobre projeto causa atrito com Câmara e ataque de vereador da base em Cachoeira

Breno Anaya e Dimas Barbosa criticam governo por conduta em proposta sobre pagamento de atrasados e cobram ações

Vereador Breno Anaya (à dir.) que não poupou críticas ao prefeito Edson Mota (à esq.) (Foto: Arquivo Atos)
Vereador Breno Anaya (à dir.) que não poupou críticas ao prefeito Edson Mota (à esq.) (Foto: Arquivo Atos)

Jéssica Dias
Lavrinhas

Uma nota divulgada pela Prefeitura de Cachoeira Paulista sobre um projeto de lei encaminhado à Câmara para votação referente aos pagamentos dos professores com reajuste do piso salarial do magistério gerou polêmica. O vereador da base, Breno Anaya (PSC), questionou a postagem feita pela Prefeitura acusando-a de “mentirosa”.

Os apontamentos feitos por Anaya foram referentes ao pagamento das férias dos professores, atrasado há 22 dias, uma parte do 13º dos funcionários da Santa Casa e o pagamento dos estagiários dispensados em 2018. A nota publicada informava: “A Prefeitura Municipal de Cachoeira Paulista esclarece que referente ao pagamento das férias dos professores, o Executivo aguardava o reajuste do piso salarial ao salário base dos professores. A aprovação do projeto será pelo Legislativo, hoje, 22 de janeiro, na primeira sessão ordinária da Câmara (trecho da nota)”.

Na tribuna, o vereador da base afirmou que a publicação era mentirosa e que não havia nenhum projeto a ser votado. “Uma mentira. Não tem nenhum projeto na Câmara referente a reajuste salarial ou a pagamento atrasado de férias. É um filme que eu já estava prevendo há duas semanas, e agora a Prefeitura veio com uma nota fajuta, falsa, mentirosa, me lembrando com tristeza a gestão passada que era craque em soltar nota falsa no Facebook, e principalmente para querer enganar algo que não tem como ser enganado, que é o direito trabalhista”, atacou o vereador.

Após a postagem, a Prefeitura divulgou uma retificação, proferindo que a votação não seria mais no dia 22, que seria somente lido o projeto. A votação aconteceria na sessão seguinte, no dia 29.

De acordo com a CLT (Consolidação das Leis do Trabalho), o funcionário tem de receber os valores das férias até dois dias úteis antes de sair de férias. “Todo mês atrasar o pagamento é triste, é vergonhoso, mas dezembro e janeiro é o pior mês de todos, porque vêm Natal, férias, e o funcionário às vezes quer viajar, passear com a família, mas não tem dinheiro”, criticou.

O presidente da Câmara, Dimas Barbosa (PTB), também opinou sobre o pagamento. “A questão de férias não veio nada para Câmara, porque não compete a nós. Isso é coisa do Executivo, ele teria que ter dentro do orçamento a previsão para poder estar fazendo esses pagamentos”.

A Prefeitura respondeu o questionamento sobre os salários explicando que “…caso o projeto enviado pelo Executivo ocorra em sua tramitação normal, depois de lido e apreciado pelos vereadores em tempo hábil, a prefeitura informa que será efetuado o pagamento do reajuste e das férias dos servidores, que tem a sua data prevista para o dia 31/01/19. Quanto ao restante do pagamento do décimo terceiro salário dos funcionários da Santa Casa, estará sendo realizado até o fim do mês de fevereiro (trecho da nota)”.

Após a polêmica da nota divulgada pela Prefeitura e o questionamento feito pelo vereador da base, Breno Anaya, a Câmara cobrou um posicionamento da Prefeitura. Barbosa se reuniu com a secretária de Administração e Governo Emiliana Fernandes, e disse que não iria tolerar “comprar” responsabilidade do Executivo. “Eu acho que foi um lapso por parte da Prefeitura, que postou jogando para nós que estaria aqui o projeto, sendo que não era verdadeiro. Na realidade, aquilo que foi vinculado pela Prefeitura não procedeu porque não foi dado entrada de nenhum projeto na Câmara”, explicou o presidente, que detalhou ainda que no dia 23 chegaram dois projetos do Executivo referentes ao reajuste salarial do servidor público e que cria vagas de cargos de PEB 1 (Professor Ensino Básico) e auxiliar de desenvolvimento infantil. “Nós estamos colocando hoje (24) na extraordinária para tramitar, para ser votada na terça-feira, próxima sessão”.

A Prefeitura se justificou, dizendo que foi um lapso, um equívoco, que não foi o que a secretária realmente tinha falado para postar. “Eles assumiram comigo que foram eles mesmos que causaram o equívoco, porque não chegou na Casa para ser lido, discutido, colocado na pauta. No entendimento de todos os vereadores, eles tentaram transferir para Casa uma responsabilidade que não era nossa”, explicou.

 

 

Compartilhar é se importar!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>