Acusado de estuprar enteada de 11 anos é capturado em Caraguá

Criminoso era procurado desde o último dia 6; abuso ocorreu na casa da família no bairro Tabatinga

A Delegacia de Defesa da Mulher, em Caraguatatuba; homem é preso por estupro de vulnerável na cidade (Foto: Divulgação Polícia Civil)

Da Redação
Caraguatatuba

A Polícia Militar de Caraguatatuba capturou na última terça-feira (13) um homem de 59 anos acusado de estuprar a enteada de apenas 11 anos. Inconformada com o abuso sofrido, a criança tentou tirar a própria vida no último dia 6, mas foi contida pela mãe.

De acordo com a PM, desde o último fim de semana equipes patrulhavam a região norte da cidade litorânea na tentativa de localizar o morador do bairro Tabatinga, considerado foragido da Justiça pelo crime de estupro de vulnerável (vítima menor de 14 anos ou portadora de deficiência mental). Durante uma das buscas, os policiais se depararam na última terça-feira com o acusado em um ponto de ônibus na rodovia Doutor Manoel Hyppolito Rego, a SP-55, no trecho do bairro Massaguaçu. Na sequência, os PM´s conseguiram surpreender o homem, que não ofereceu resistência à prisão.

Após prestar depoimento na Delegacia de Caraguatatuba, o foragido foi encaminhado ao CDP (Centro de Detenção Provisória) do município.

De acordo com o boletim de ocorrência, o homem é acusado de violentar a  filha da sua companheira, com quem é casado há sete anos. O crime teria acontecido no último dia 6 na casa em que a família mora no bairro Tabatinga. No imóvel, moram também dois filhos do casal, de 3 e 6 anos.

Em depoimento, a mãe das crianças revelou que descobriu o crime após desconfiar do comportamento da filha, que demonstrava nervosismo e tristeza. A situação ficou ainda mais delicada, quando a menina se trancou no banheiro e afirmou que cortaria os pulsos.

Desesperada, a mãe conseguiu desencorajar a garotar a cometer o ato. Questionada, a filha revelou que foi violentada pelo padrasto poucas horas antes.

A vítima e a mãe foram à Delegacia de Defesa da Mulher, onde denunciaram o abuso.

Compartilhar é se importar!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

× Como posso te ajudar?