Bastidores da Política

Presença marcante
xxxxxxxxxxx
Afonso Lobato e Erica Soler: encontro com a PM
O deputado Padre Afonso Lobato fez questão de acompanhar a prefeita de Potim, Erica Soler e seu vice, Marcio de Siqueira em uma audiência com o comandante geral da Polícia Militar do Estado, coronel Marcelo Salles.
Entre os assuntos, Erica solicitou do comandante o aumento do efetivo na cidade e substituição dos PMs por agentes penitenciários na escolta de presos dos dois presídios existentes no município.
A embaixada de Potim, que contou também com o vereador William Amaral e do pároco Padre Léo, voltaram esperançosos e otimistas com o apoio do deputado Padre Afonso.
Tendência municipal
O mercado político de Cachoeira Paulista observa o crescimento de intensões de votos por candidatos da cidade. Embora a quantidade de votos local esteja ‘aquém’ do necessário para eleger um deputado, a informação acende o ânimo da dupla Claudio Gaspar e João Bosco Torrada, que mesmo em partidos opostos figuram como postulantes ao Congresso e Assembleia Legislativa.
Sinal de alerta
Exonerados da Saúde municipal de Cachoeira Paulista ainda não receberam seus vencimentos atrasados, muito menos seus direitos trabalhistas. Com o silêncio e descrédito do Sindicato da categoria, a pergunta pelas esquinas da cidade é uma só: “será que surge neste cenário de desrespeito pelo menos um vereador para requerer do Executivo a lista completa dos demitidos, desde quando o Edson Nota re$olveu terceirizar a Saúde”? Parece que o Ministério Público está aguardando essa relação…
Trem da alegria

Vagner da Silva
Vagner da Silva

Corre na boca pequena de Cachoeira Paulista que o Ministério Público local está sendo provocado a investigar o ‘trem da alegria’ instalado na Prefeitura do Seu Mota.

Disseram que a locomotiva deste ‘trem’ está sob o comando do expert em ‘empregabilidade’ (principalmente de familiares) Vagner da Silva, vulgo Vaguinho, que segundo a boca pequena, há 15 anos foi impedido de concorrer a cargos eletivos e corre dos oficiais de justiça da comarca de Lorena.

Conjecturam ainda pelas esquinas, a possibilidade da administração ‘publica’ (com perfil de privada) ter mais comissionados se ocupando em cidades da região! Será?

Capítulo novo…
…velha novela E a Câmara de Guará retomou esta semana a discussão sobre a tão requisitada OS para administrar o Pronto Socorro, hoje hospedado no Frei Galvão. Segundo os governistas, não se trata de nova aprovação, mas de uma simples mudança no critério de contratação prevista na lei de 2005. Ou seja, da obrigatoriedade de registro na esfera federal para abertura de certificado a partir do Estado. Imaginem o replay dos peemedebistas na tribuna da Casa…
Política da soma
Faltando 227 dias para mudança da mesa administrativa das Câmaras Municipais, o vereador Marcelo Coutinho segue firme nas ‘costuras’ para se reeleger na presidência. Comenta-se que após a ameaça de ‘trairagem’ de um dos governistas que apoiam a reeleição de Celão, surgiu a possibilidade do sétimo voto para consolidar. Perguntem ao João Pita!!!
Acabamento
Celão
Celão

O presidente da Câmara de Guará, Marcelo Coutinho, justifica sua intenção de continuar no comando do Legislativo tendo em vista a mudança da Casa de Leis para a Praça Conselheiro Rodrigues Alves.

Enquanto seus antecessores na presidência amarelaram na utopia de uma mega construção, Celão teve o insight de conquistar do Estado, o suntuoso prédio da Delegacia de Ensino e a custo zero! Disseram que nada mais justo, ele ‘presidenciar’ mais um biênio…

Aviso aos navegantes
Para evitar ‘mal entendido’, correu na boca pequena de Lorena esta semana, por obra e graça dos apoiadores do prefeito Fábio Marcondes, que sobre a reforma do prédio da Câmara, a Prefeitura patrocinou apenas o projeto, já que o ‘molho poderia ficar mais caro que o frango’. Licitação, contratação e execução do projeto correm por conta da atual presidência – leia-se irmãos Silvas. Ah! A pretexto dos recursos, o Executivo, mediante votação e aprovação do Legislativo, liberou um valor extra no duodécimo (percentual do orçamento do município para custeio do Legislativo) para bancar os custos com a reforma.
Segredo de dois…
…só matando um, porém se o vereador Samuel de Mela tomar conhecimento, aí, vai ter que matar um monte, porque segundo o que rola pelos corredores da Câmara de Lorena, ele é o ‘cagueta’ do ano, digo, da casa…
Síndrome de ‘Judas’
Parece que o vereador que usurpou a fé carismática para chegar à Câmara de Lorena se revelou uma decepção aos fiéis do terço e também para quem se posiciona em seu entorno. O mandato nem chegou na metade, mas já foi o suficiente para especulação política analisar seu perfil como indefinido, oportunista e mal sucedido. Histórico: Ganhou acesso à mesa administrativa da Casa pelas mãos dos opostos (a Fabio Marcondes) e nem esquentou a cadeira, buscou encostar nos governistas para se aproximar do gabinete do prefeito, de olho em seus interesses. É claro que a manobra falhou, quando tentou ‘passar a perna’ em quem havia chegado primeiro. Demonstrando-se ‘míope para vida pública’, não fez carreira como situação e perdeu a credibilidade com a oposição, e por último, está sendo eleito pelos colegas como o ‘dedo-duro’ da temporada, digo, da legislatura…
Triângulo político
Pelo que se ouviu nas esquinas de Pinda, com a inclinação de apoio do vereador Ronaldo Pipas (PR) às candidaturas de Rafael Goffi (PSDB) a federal e supostamente de Vito Ardito (agora PP) a estadual, o mercado político da cidade estará diante de um triangulo entre três partidos, motivado não por siglas, mas por afinidades pessoais.
Projeção 2020
Everton Chinaqui
Everton Chinaqui

A julgar pelo vídeo institucional da secretaria de Esporte de Pinda, em circulação nas redes sociais, a especulação política da cidade já conjectura um dos nomes à sucessão de Isael Domingues num futuro não muito distante.

Pelo olhar crítico dos cientistas políticos da cidade, a imagem pessoal do secretário Everton Chinaqui se sobressai muito mais que os próprios locais esportivos, bem como as competições e os atletas filmados.

Ah! A do prefeito, que a princípio teria de ser a ‘bola da vez’, tem de prestar muita atenção nos 10 minutos de gravação, onde só é visto num raro momento e, em segundo plano…

 

‘Vela apagada…’
Vela do PT
Vela do PT

Com exceção da torcida organizada das portas de fábricas e manifestações programadas no entorno de Pindamonhangaba, boa parcela dos eleitores cotidianos (ainda que uma minoria) até que acreditam nas futuras intenções do suposto candidato a deputado Vela do Sindicato, mas quando tomam conhecimento de seu partido, o PT, a ‘maionese desanda’.

Aliás, é difícil pensar no partido de Vela sem a lembrança da Lava Jato e do festival de cadeia pelo país a fora…

 

 

Bolinhos de Chuva

O ex-prefeito de Caraguá Antônio Carlos, editor político do Atos Eder Billota e o diretor financeiro do CREA João Bosco Romeiro no café mais politizado da Região
 Antônio Carlos, Eder e João Bosco Romeiro 

Quem visitou a redação do Atos nesta quinta-feira, com direito a cappuccino e bolinhos de chuva, foi o ex-prefeito de Caraguá, Antônio Carlos, na companhia de João Bosco Romeiro.

Assuntos como economia da região, política de desenvolvimento com a necessidade de representatividade (cenário estadual e federal), além de uma leitura geral sobre as candidaturas do Vale e Litoral Norte deram o tom da conversa.

Antônio Carlos está preparando uma grande plataforma de lideranças para dar suporte à futura candidatura a deputada estadual de sua filha Michelli Veneziani.

Em Alta
Potim… A prefeita Erica Soler, que tem feito de 2018 um período para acelerar as demandas da cidade, que sofreu durante anos com governos de prefeitos acusados, condenados e até mesmo com morte em praça pública. Após vencer uma eleição em que o próprio povo não sabia quem poderia concorrer, Erica tem encurtado os caminhos quando o assunto é cobrar atenção do Estado e do governo federal. Na última ação, ela conseguiu da Polícia Militar a promessa de reforço no efetivo e também na estrutura para o combate diário contra a criminalidade em Potim.
Em Baixa
Pindamonhangaba… O vereador Felipe César, que tentou colocar em votação na Câmara um projeto para proibir a atuação de artistas de rua que trabalham nos semáforos da cidade. Com o argumento de que há casos em que motoristas chegam a ser ofendidos e ameaçados, o parlamentar viu a proposta recuar após pressão de grupos como o Conselho Municipal de Cultura, que questionou se o vereador realmente sabe como os artistas trabalham. Será mesmo que ele acha que um caso é o bastante para prejudicar dezenas ou centenas de pessoas. Como é obscura a forma de pensar o mundo na “Felipelândia”…
 
Compartilhar é se importar!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

× Como posso te ajudar?